Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | 8 perguntas e respostas sobre esclerose múltipla

8 perguntas e respostas sobre esclerose múltipla

Imagine que o seu sistema imunológico ataca um pilar essencial da saúde do seu corpo. É o que acontece a quem sofre de esclerose múltipla, uma doença degenerativa que tem forte repercussões na qualidade de vida.

1. O que é a esclerose múltipla?

A esclerose múltipla é uma doença autoimune em que as defesas do organismo, que normalmente o protegeriam de agressões, destroem a bainha de proteção, designada por mielina, que envolve os nervos do sistema central e periférico. Sem esta substância, a comunicação entre o cérebro, a medula espinal e outras partes do corpo é interrompida, causando a deterioração irreversível das fibras nervosas que levam a processos inflamatórios dolorosos. Apesar do difícil diagnóstico, identificar a doença precocemente é um passo essencial para garantir a qualidade de vida e a prevenção de novos surtos.

 2. O que a causa?

A origem desta patologia autoimune é ainda desconhecida. Sabe-se que é consequência da destruição da substância lipídica que reveste as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal, mas não se conhece exatamente o que está na sua origem. Há evidências científicas que a influência genética e algumas infeções desenvolvidas em criança têm ligações com a doença, como por exemplo, o vírus de Epstein-Barr, que causa mononucleose, e algumas bactérias, por exemplo, as que provocam pneumonia.

 3. Quem é mais afetado?

A esclerose múltipla geralmente afeta pessoas entre os 15 e os 60 anos, na sua maioria mulheres e em áreas do globo com pouco sol, uma vez que existem indícios científicos que a vitamina D (produzida através da absorção, pela pele, da luz solar) exerce uma função protetora contra a doença. Ser fumador também pode desencadear o processo inflamatório das fibras nervosas.

 4. A que sinais de alarme devemos estar atentos?

Entre os sinais de alarme mais apontados incluem-se os seguintes:

  • dormência ou fraqueza num dos lados do corpo, pernas e tronco;
  • perda completa de visão, geralmente num olho de cada vez, frequentemente com dor quando os olhos se movimentam;
  • visão dupla ou turva;
  • formigueiro ou dor em alguma parte do corpo;
  • sensação de descarga elétrica que ocorre quando são feitos certos movimentos com o pescoço;
  • tremor;
  • fala arrastada;
  • falta de coordenação ou marcha instável;
  • fadiga;
  • tonturas;
  • problemas com a função intestinal.

 5. Os sintomas tendem a agravar-se?

As manifestações mais evidentes da doença atingem o pico entre os 30 e os 40 anos e variam conforme a quantidade de nervos afetados. Enquanto alguns doentes quase não desenvolvem novos sintomas durante longos períodos de tempo, nos casos mais graves, os pacientes podem perder a visão e a autonomia motora. Estima-se que em 60 a 70% dos doentes haja reincidência dos sintomas.

 6. Por que é tão importante o diagnóstico precoce?

A esclerose múltipla é difícil de diagnosticar uma vez que é uma doença que pode evoluir silenciosamente ou com sintomas que aparecem e desaparecem, levando a que o doente não procure ajuda médica precocemente. Muitas vezes, a enfermidade só é confirmada quando existe um aumento gradual da dor e da intensidade desta. Embora os sintomas sejam a primeira forma de diagnóstico, o neurologista recorre à ressonância magnética, punção lombar e outros exames que avaliam o estado das fibras nervosas. O diagnóstico atempado é fundamental para o tratamento da doença na fase inflamatória, preservando a qualidade de vida do paciente. Estudos demostram que, quanto mais cedo for iniciada a medicação, melhor é a resposta terapêutica.

7. Que tratamentos existem para a esclerose múltipla?

O tratamento mais usado para diminuir a duração das crises da doença e combater a inflamação é a administração de corticosteróides, compostos naturais ou sintéticos relacionados com as hormonas produzidas pelas glândulas suprarrenais. O repouso é também importante para diminuir a intensidade/duração dos surtos

8. Que avanços científicos podem ajudar quem sofre de esclerose múltipla?

Mais recentemente, descobriu-se que algumas substâncias, como os interferões beta-1a e 1-b (proteínas naturalmente libertadas pelo organismo nos processos de inflamação) podem prevenir e diminuir os surtos da doença. A frequência deste tipo de tratamentos, que se realizam por via injetável, depende da gravidade da doença. Outra das substâncias com ação semelhante é o copolímero, uma proteína artificial que pode ser injetada diariamente por via subcutânea. No entanto, investigações que estão a decorrer procuram encontrar alternativas medicamentosas que tenham capacidade de controlar e evitar o agravamento da doença e que possam ser administradas por via oral.

Silenciosa, a esclerose múltipla é uma doença de difícil diagnóstico que atinge o seu pico, geralmente, em mulheres entre os 30 e os 40 anos. Muitas vezes, os sintomas são confundidos com outras patologias. Mantenha-se alerta e, em casos de dúvida, recorra a um especialista indicado para tratar esta doença.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.