Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Doença de Crohn: os sinais de alarme

Doença de Crohn: os sinais de alarme

Aprender a identificar os sintomas desta doença inflamatória crónica do trato gastrointestinal é essencial para um diagnóstico e tratamento atempados. Já a seguir, as perguntas sobre a doença de Crohn cuja resposta é importante saber.

O que é a doença de Crohn?

É uma patologia inflamatória gastrointestinal crónica que provoca alterações no aparelho digestivo, comprometendo a absorção de nutrientes e a produção de secreções intestinais necessárias ao bom funcionamento do organismo. Pode manifestar-se em qualquer parte do aparelho digestivo, sendo mais comum na zona terminal do intestino delgado (íleo) e no intestino grosso (cólon, reto e ânus). Apesar de poder atingir tanto homens como mulheres, esta doença afeta mais o sexo feminino.

Quais são os sinais de alarme?

A [glossary]doença de Crohn[/glossary] é intermitente, o que significa que alterna fases ativas com períodos de remissão de pouca ou nenhuma sintomatologia. As manifestações clínicas da doença dependem da zona do aparelho digestivo afetada e variam de pessoa para pessoa, assim como a frequência com que podem ocorrer. Existem alguns sinais que podem indiciar a presença da patologia ou de uma fase de agravamento. Os mais comuns são:

  • diarreia;
  • dor;
  • cólicas ou distensão abdominal;
  • [glossary]febre[/glossary];
  • perda de peso;
  • lesões na zona perianal (fissuras, fístulas, abcesso)
  • lesões cutâneas ou dores articulares.

Em certos casos, a [glossary]doença de Crohn[/glossary] pode levar a complicações muito graves como a oclusão intestinal – este problema consiste na oclusão parcial ou total do intestino dificultando a passagem ou bloqueando a passagem de alimentos e líquidos.

Por que surge a doença de Crohn?

A [glossary]doença de Crohn[/glossary] pode dever-se a uma combinação de fatores genéticos, imunológicos e ambientais. Para além dos genes que podem ser associados à doença, existe a possibilidade de se tratar de uma resposta imunológica a uma bactéria ou vírus que continua a manifestar-se mesmo após o desaparecimento do mesmo. Apesar das dúvidas em torno da origem da [glossary]Doença de Crohn[/glossary], foram já identificados alguns fatores de risco, como o tabagismo, idade (a doença é mais comum em adultos jovens, especialmente antes dos 30 anos), história familiar e viver em zonas urbanas e industrializadas. Embora o stress e os hábitos alimentares não estejam na origem do problema podem agravar a sintomatologia.

Como é feito o diagnóstico?

É fundamental consultar um especialista para evitar o agravamento das queixas e possibilitar que o tratamento tenha início o mais precocemente possível. As técnicas de diagnóstico usadas podem variar consoante a localização desta.

Que tratamentos existem?

A abordagem médica incide principalmente na toma de medicação para o controlo das queixas associadas e prolongamento das fases de remissão, uma vez que não existe um tratamento específico para a patologia. O principal objetivo consiste, portanto, na preservação de uma qualidade de vida do paciente.

A [glossary]doença de Crohn[/glossary] é uma patologia crónica do foro gastrointestinal que se manifesta de forma intermitente. Apesar de ainda não haver cura para esta doença, o tratamento permite atenuar as queixas e espaçar as crises.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.