Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Osteopatia: (re)encontre o equilíbrio

Osteopatia: (re)encontre o equilíbrio

Orientada pelo princípio holístico que a anatomia, a fisiologia e as emoções estão interligadas, a osteopatia trabalha o sistema muscular e esquelético para que os restantes sistemas do organismo encontrem o equilíbrio. Conheça melhor esta terapia complementar.

Com benefícios reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a osteopatia é uma terapia complementar que pretende harmonizar todos os sistemas do corpo através de técnicas manuais não-invasivas no sistema músculo-esquelético e sem recurso a qualquer tipo de fármaco. Numa consulta de osteopatia, o terapeuta parte de uma análise global ao organismo para identificar disfunções ou perturbações de saúde. No entanto, o tratamento não é concentrado no problema. A osteopatia envolve técnicas de mobilização e manipulação das articulações, músculos e tecidos moles, bem como técnicas de massagem, que ajudam o corpo a libertar-se das tensões, da dor e da rigidez, devolvendo a mobilidade e melhorando a capacidade de recuperação.

Em que casos é eficaz

A osteopatia é eficaz no tratamento da dor lombar persistente, dorsalgias, cervicalgias, escoliose, hérnias discais e torcicolo, bem como entorses, tendinites, epicondilites, síndrome do túnel cárpico, dores nos ombros, tensões e contracturas musculares, além de limitações físicas provocadas por acidentes de viação, quedas, fraturas ou cirurgias – caso não haja contraindicação médica. Esta terapia complementar é também aconselhada em casos de stress, dores de cabeça persistentes, enxaquecas, problemas digestivos, irritabilidade, insónias, [glossary]depressão[/glossary], vertigens, [glossary]asma[/glossary], sinusites, [glossary]glaucoma[/glossary], tensão pré-menstrual, obstipação[/glossary], entre outros problemas.

Como atua a osteopatia

A osteopatia assenta no seguinte princípio: se uma parte do corpo se encontra fragilizada ou limitada, o resto do organismo tem de se adaptar para compensar essa fragilidade, reagindo com inflamação, dor ou rigidez, por exemplo. Quando existem muitos “desequilíbrios”, mais dificuldade terá organismo em suportar a dor. O terapeuta recorre a técnicas estruturais, musculares, cranianas, viscerais, linfáticas e imunitárias para restabelecer o equilíbrio. A reação ao tratamento depende do paciente e do problema em causa. Segundo os princípios da osteopatia, o corpo precisa de um tempo para se adaptar às mudanças proporcionadas por cada sessão. Poderá ser necessário realizar uma sessão preventiva de 2 em 2 meses (ou de 3 em 3 meses, dependendo dos casos). Os benefícios da osteopatia são potenciados quando associados a uma dieta equilibrada e à prática de exercício físico.

Contraindicações

Apesar dos benefícios da osteopatia, existem situações clínicas em que esta técnica terapêutica pode ser desaconselhada, como acontece com doentes com cancro nos ossos, artrite reumatoide na fase aguda, [glossary]osteoporose[/glossary] avançada, [glossary]AVC[/glossary],tromboses e vertigens por insuficiência vertebro-basilar.

Resultados da osteopatia

Uma das principais manifestações de dor ou desconforto do organismo é a dificuldade em adormecer ou um sono pouco tranquilo ou não reparador. Padrões de sono incorretos agravam a incapacidade do organismo para funcionar adequadamente, assim como a capacidade de lidar com a dor. Um dos primeiros sinais que demonstram que o tratamento está a obter resultados é, precisamente, começar a dormir bem.

No caso das crianças, o reajustamento ósseo vertebral pode também levar à drenagem e arejamento do ouvido, com diminuição da [glossary]otite[/glossary] serosa, muito vulgar nos mais pequenos.

De acordo com os princípios da osteopatia, ao atingir o equilíbrio da estrutura esquelética e muscular, outros sistemas do corpo, como o circulatório, nervoso e linfático, dispõem das condições necessárias para funcionarem com maior eficácia. Em harmonia, o corpo humano tem capacidade de autorrecuperação, preservando a saúde e o bem-estar.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.