Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Sementes: a tendência que faz bem à saúde

Sementes: a tendência que faz bem à saúde

Apesar do consumo de sementes existir há milhares de anos, só recentemente é que este hábito mediterrânico passou a fazer parte da alimentação dos portugueses. Um caminho de descoberta que traz inúmeros benefícios para a saúde.

As sementes estão na moda e ainda bem. Apesar de serem pouco utilizadas na cultura gastronómica portuguesa, a verdade é que nos últimos anos os hábitos alimentares dos portugueses têm vindo a mudar e a permitir a entrada de novos elementos na dieta mediterrânica.

A crescente preocupação com o corpo, a saúde e o bem-estar em geral pode estar na origem do aumento do consumo de sementes. Atualmente, existe uma forte corrente favorável ao consumo de sementes que revela que estas podem contribuir para a prevenção de doenças cardiovasculares, diabetes ou obesidade.

 

Porque é que as sementes estão na moda?

Nutricionalmente muito ricas, as sementes são fontes de minerais, vitaminas, proteínas, fibras e gorduras predominantemente insaturadas. Existem vários tipos de sementes com caraterísticas únicas que podem atuar em várias situações. O consumo regular pode ajudar a emagrecer, prevenir uma doença, dar energia, entre tantos outros benefícios. O mercado tem vindo a explorar melhor este bem tão rico e a sensibilizar para o seu consumo.

Alexandra Sousa, nutricionista do Hospital CUF Porto, assume que “neste momento temos uma franja significativa de portugueses que estão bastante sensibilizados para os benefícios das sementes, uma vez que o seu consumo está na moda e que há muito mais informação sobre o tema do que há uns anos”. A nutricionista mostra, no entanto, alguma preocupação: “Devo confessar que esta moda me preocupa particularmente, uma vez que as pessoas podem tender a exagerar no consumo, o que também traz problemas.” Problemas esses que podem ser uma consequência do elevado valor energético que as sementes têm de uma forma genérica. Segundo Alexandra Sousa, “pelo facto de as sementes apresentarem um alto valor energético, devem ser consumidas com muita moderação, garantindo assim que os seus benefícios não ficarão hipotecados”

 

A introdução das sementes na alimentação diária

Alexandra Sousa revela que “hoje já é relativamente simples introduzir as sementes na alimentação diária. Há duas formas de consumir sementes: inteiras ou moídas. Podemos depois adicioná-las a saladas, introduzi-las em receitas de pães e bolos, fazê-las acompanhar de um iogurte, fruta, cereais ou até mesmo fazer uma omelete com elas”. A nutricionista refere ainda que “é importante não esquecer que a ingestão de sementes deve ser acompanhada pelo adequado consumo de água”.

 

Manter a linha com as sementes de chia

São as sementes mais indicadas para a perda de peso, pois têm o dobro do ómega 3 das sementes de linhaça, fator que contribui para reduzir o inchaço do corpo. A chia é rica em fibras que melhoram o funcionamento intestinal. Segundo Alexandra Sousa, “as sementes de chia, quando em contacto com a água, formam um gel que retarda o processo digestivo; quando chegam ao estômago, aumentam a sensação de saciedade, o que deixa a pessoa com menos vontade de comer, facilitando a perda de peso”. Mas fica o alerta: “É preciso ter em atenção o elevado valor energético que as sementes de chia têm.”

 

Os cinco tipos de sementes mais procurados

Consideradas alimentos funcionais, as sementes destacam-se na roda dos alimentos e diferem dos cereais integrais com os quais estamos mais habituados a lidar, como o arroz, os cereais no pão, na massa, entre outros. Apesar de todas as sementes serem interessantes do ponto de vista nutricional (desde que consumidas nas doses devidas), a verdade é que existem aquelas que são mais conhecidas e que têm benefícios que estimulam a sua procura. Saiba quais são os cinco tipos de sementes mais procurados hoje em dia.

Pevides (ou sementes de abóbora)
Sementes de sésamo
Sementes de girassol
Sementes de linhaça
Sementes de quinoa
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.