Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

pelvica

Bactéria Gonococo

A Doença Inflamatória Pélvica (DIP) é uma infeção dos órgãos reprodutores femininos, causada por ação bacteriana. É mais frequente nas mulheres jovens e sexualmente ativas e que têm múltiplos parceiros sexuais, ocorrendo muito raramente após a menopausa.

A transmissão faz-se essencialmente através do contacto sexual, durante o parto (no caso da mãe estar infetada) ou por contaminação indireta (utilização de artigos contaminados).

Após a infeção, dá-se um período de incubação que pode varia de 2 a 4 dias e pode chegar aos 30 dias.

Pelo facto do órgão sexual feminino ser interno (e logo mais húmido apresentando a temperatura ideal para a proliferação de bactérias), as mulheres estão mais propensas a apresentar sintomas de infeção.

Na maioria das vezes, o homem não apresenta sintomas, ou seja, é assintomático. No homem, a patologia é conhecida como uretrite ou infeção da uretra.

A infeção pode provocar infertilidade, parto prematuro e aborto.

Causas de Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

A DIP é transmitida por bactérias como clamídia e gonococo (responsável pela gonorreia). Há outros agentes responsáveis pela infeção mas com menor incidência. 

Sintomas da Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

  • Ardor e dor durante a micção (Disúria).
  • Febre baixa.
  • Corrimento vaginal que varia do amarelo ao purulento, com odor característico e forte.
  • Menstruação irregular.
  • Dor na região pélvica ou abdominal durante o ato sexual.
  • Sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, mau estar, desconforto, fadiga e vómitos.

Caso atinja as trompas, a infeção pode originar abcessos ou obstruções severas. Na região da vulva pode afetar a glândula de Bartholin, provocando Bartholinites (que deixam a vulva sensível e exposta a novas infeções).

Diagnóstico e Tratamento da Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

O diagnóstico é basicamente clínico, não havendo necessidade de exames laboratoriais específicos. Contudo, caso seja necessário, realiza-se um teste de cultura que pretende conhecer o grau de infeção do paciente.

Pode ser necessário realizar uma laparoscospia, de forma a poder observar as trompas e ovários.

A Doença Inflamatória pélvica pode ter diferentes estágios de infeção, sendo o tratamento adequado ao estágio em que o doente se encontra:

Leve – trata-se através da combinação de antibióticos (orais e injetáveis).

Moderada – Exige a administração de antibiótico intravenoso (IV) durante vários dias.

Grave – Exige internamento hospitalar e administração de antibiótico intravenoso de forma continuada.

Caso haja abcesso na zona pélvica, é necessário proceder a drenagem cirúrgica.

A prevenção é feita através de:

– Utilização de Preservativo.

– Redução do número de parceiros sexuais.

O exame pélvico anual, em paralelo com análises laboratoriais permitem uma intervenção atempada em caso de infeção.

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.