Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Paralisia Facial

Paralisia Facial

Distúrbio que se traduz na perda de movimento facial devido a lesões nos nervos ou enfraquecimento dos músculos responsáveis pela expressão facial. É um problema que, dependendo da sua origem, pode ser permanente ou passageiro, mas que provoca uma assimetria facial com repercussões na qualidade de vida e autoestima da pessoa.

A Paralisia Facial pode ser classificada como:

  • Central – provocada por lesões ou patologias no cérebro que impedem da transmissão de informação para o nervo facial. A assimetria afeta sobretudo a zona inferior do rosto, não interferindo com o músculo ocular e a função de pestanejar.
  • Periférica – devido a problemas ou lesões nos músculos faciais. Nesta categoria a Paralisia de Bell é a mais comum. Caracteriza-se pela fraqueza dos músculos faciais, manifesta-se subitamente e tende a desaparecer após seis meses. A sua causa exata é desconhecida, mas surge frequentemente associada a infeções por vírus do tipo herpes.
    A imobilização de certos músculos da face provocada pela paralisia pode trazer complicações de saúde, em especial na visão. A dificuldade em pestanejar ou fechar um dos olhos expõe a córnea elementos externos e favorece a secura devido à falta de lubrificação pela lágrima, exigindo uma vigilância médica regular. A lesão da córnea constitui umas das principais preocupações clínicas no contexto de paralisia facial periférica.

Causas de Paralisia Facial

A Paralisia Facial pode ter origem neurológica, traumática, infecciosa, neoplásica ou idiopática (sem causa conhecida), esta última mais comum e também conhecida por Paralisia de Bell.

A Paralisia Facial pode ainda ocorrer no nascimento devido a trauma do parto (paralisia temporária e que, na maioria dos casos, se resolve espontaneamente) ou síndrome de Moebius ou de Melkersson-Rosenthal.

As principais situações associadas ao aparecimento de paralisia facial são:

paralisia cerebral

Anatomia do nervo facial.

  •  Lesão no crânio (fratura) ou na face.
  • AVC.
  • Tumor (no cérebro ou pescoço), linfoma.
  • Lesões no ouvido ou infeção crónica do ouvido médio.
  • Tensão arterial elevada.
  • Diabetes.
  • Doença de Lyme (infeção bacteriana transmitida por picada de carraça).
  • Síndrome de Ramsay-Hunt (infeção do nervo facial por vírus varicela zoster).
  • Traumatismo crânio-encefálico
  • Doenças autoimunes (esclerose múltipla, síndrome de Guillain-Barré, lúpus eritematoso sistémico, sarcoidose).

Sintomas de Paralisia Facial

  • Dor facial.
  • Dor de cabeça ou tonturas.
  • Zumbido, sensibilidade ao som e dor num ou em ambos os ouvidos.
  • Dificuldade em falar, comer ou beber (deglutição dificultada).
  • Incapacidade de expressar emoções.
  • Salivação em excesso.
  • Contração muscular.
  • Olhos lacrimejantes.
  • Secura na boca e olho (no lado paralisado da face).
  • Alteração do paladar. 

Diagnóstico e Tratamento de Paralisia Facial

O diagnóstico da paralisia engloba o exame clínico, avaliação do tónus muscular facial (em repouso e movimento) e despiste de eventuais patologias, lesões ou infeções associadas, a realização de testes laboratoriais ao sangue e de exames de imagem. Em certos casos pode recorrer-se a uma eletromiografia, um exame que avalia a função dos nervos e músculos. O tratamento pode incluir várias abordagens:

Farmacologia – terapêutica com corticosteroides e antivirais

Cirurgia – intervenção cirúrgica em nervos lesados., remoção de tumores ou lesões associadas ao problema.

Fisioterapia – técnicas que visam o estímulo e fortalecimento dos músculos da face e o treino da expressão facial através de exercícios de reeducação neuromuscular.

O recurso a toxina botulínica ou, por exemplo, a métodos com a acupuntura, crioterapia (frio), termoterapia (calor), eletroterapia (estímulo elétrico) e massagem são por vezes associados ao tratamento da paralisia, embora ainda não reúnam consenso médico.

Artigo revisto e validado pela especialista em Medicina Geral e Familiar Isabel Braizinha.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.