Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética

A Retinopatia Diabética (RD) é a mais conhecida complicação microvascular da Diabetes Mellitus (uma doença metabólica caracterizada por um elevado nível de glicose no sangue, o que origina uma micro-angiopatia nos vasos sanguíneos da retina). A Retinopatia diabética resulta, assim, dos efeitos da diabetes nos vasos sanguíneos da retina.

Há dois estádios principais da retinopatia diabética:
1. Não-proliferativo – Na retinopatia diabética não-proliferativa o paciente tem visão normal. Os vasos sanguíneos danificados acumulam depósito de proteínas e gordura na retina. Os vasos sanguíneos da retina podem romper, resultando daí hemorragias intra-retinianas. Se qualquer dos líquidos estravazados forem para a região central da retina (chamada mácula), a visão será afetada. Esta condição é chamada edema da mácula. O edema macular diabético (EDM) com atingimento do centro da visão leva, regra geral, a disfunção visual, sendo responsável pela principal causa de cegueira em Portugal.
2. Proliferativo- Na retinopatia diabética proliferativa há o crescimento de vasos sanguíneos anormais, que invadem o conteúdo gelatinoso do olho (o vítreo). Os vasos proliferativos rompem-se frequentemente, causando hemorragia vítrea, que pode diminuir significativamente a visão. O tecido fibroso pode crescer sobre os novos vasos sanguíneos e distorcer a visão. Ocasionalmente, esse tecido fibroso pode contrair-se, puxando a retina e causando um descolamento da mesma por tração.
A forma proliferativa pode provocar:

  • Hemorragía vítrea.
  • Tração da retina.
  • Descolamento da retina.
  • Glaucoma.
  • Cegueira.

Causas e Sintomas da Retinopatia Diabética

A Retinopatia Diabética é provocada quer pela diabetes tipo I, quer pela Diabetes tipo II.

Retinopatia diabética

Retinopatia diabética onde se vê a descoloração do fundo da retina (ou ponto cego, a amarelo). As manchas vermelhas representam hemorragias.

A RD pode evoluir sem sintomas visuais até às fases mais avançadas. Os sintomas normalmente incluem:

  • Diminuição da visão.
  • Flutuação.
  • Visão turva.
  • Perturbações do campo visual. 

Diagnóstico e Tratamento da Retinopatia Diabética

O diabético tipo I deve fazer um exame oftalmológico anual nos primeiros cinco anos desde a data do diagnóstico. O diabético tipo II deve fazer este exame na época do diagnóstico da doença principal.

A angiofluresceinografia permite a observação dos vasos da retina.

Numa primeira fase de tratamento está apenas recomendada:

  • Vigilância e controlo metabólico.

Em fases mais avançadas de Retinopatia Diabética, encontra-se indicada:

  • Terapia com laser (o laser reduz em 50% o risco de perda grave de visão).

Em caso de descolamento da retina encontra-se indicado:

  • Tratamento cirúrgico.

Em casos de Edema Macular Diabético, encontra-se indicado:

  • Tratamento com injeção intra-ocular de fármacos (anti-VEGF/corticóides).
  • Terapêutica combinada com laser.

– A retinopatia não-proliferativa deve ser tratada com fotocoagulação com laser.

– A retinopatia diabética proliferativa deve ser tratada com cirurgia de vitrectomia.

O controlo rigoroso dos níveis de açúcar no sangue atrasa o desenvolvimento e a progressão da retinopatia diabética. É obrigatório o exame anual do fundo do olho em todo o paciente portador de diabetes.

A partir de 5 anos de doença é recomendada a realização de Retinografia Fluorescente, exame que permite observar de forma precoce a existência das microhemorragias e microaneurismas.

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.