Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Insónia

Insónia

A insónia é a perturbação do sono que ocorre com mais frequência. A insónia leva o indivíduo a dormir mal e a descansar pouco, por mais que tente dormir, consistindo numa dificuldade persistente em adormecer em menos de 30 minutos e/ou de manter a continuidade do sono, despertando, por vezes, muito antes da hora.

A insónia é frequentemente associada a dificuldades de concentração e cansaço durante o dia. A ausência de um sono reparador dificulta o raciocínio, a atenção, a percepção e a concepção de ideias.

A insónia aguda, ocasional, de curta duração, atinge cerca de 30% da população adulta. Períodos mais prolongados de insónia, característicos da insónia crónica, afectam cerca de 10% da população, com uma frequência maior em indivíduos com mais de 60 anos de idade.

insónia

A insónia é a perturbação do sono, que consiste numa dificuldade persistente em adormecer e/ou mantar a continuidade do sono.

É frequente as pessoas nem saberem que sofrem de uma perturbação do sono. A maioria das pessoas vivencia problemas de sono em algum momento da vida.

A sonolência diurna excessiva é um indicador importante de que se sofre de sono insuficiente (privação do sono) ou que se tem o sono fragmentado (perturbação de sono).

As perturbações do sono são muito comuns e são graves pelas consequências que provocam a nível de saúde física e mental.

Durante uma boa noite de sono não devemos demorar mais de 30 minutos a adormecer e não devemos acordar muitas vezes durante a noite. A maioria das pessoas precisa em média de 7,5 horas de sono. 

A Classificação Internacional das Desordens do Sono, criada pela Academia Americana da Medicina do Sono, classifica a insónia como:

De ajustamento (aguda) – Relacionada com uma situação de stress. Melhora quando o indivíduo se ajusta à situação. Não ultrapassa o limite máximo de três meses.

Psicofisiológica – Associada a uma preocupação e ansiedade excessivas do indíviduo face ao seu problema de sono – o indivíduo tem dificuldade em adormecer às horas normais mas pode adormecer involuntariamente fora delas e em qualquer outro local (a ansiedade face ao problema de sono leva a um condicionamento comportamental relativamente ao espaço em que o indivíduo normalmente dorme).
Paradoxal – O paciente apresenta os sintomas de quem sofre de insónias mas os exames de diagnóstico não confirmam o problema.
Idiopática– Não há uma causa evidente mas o problema é detetado e confirmado por exames complementares de diagnóstico.
Higiene de sono inadequada– Os horários de sono são irregulares ou desadequados. Pode haver consumo de substâncias que potenciem a insónia como cafeína, álcool, medicamentos e outras drogas.
Comportamental da criança– Em casos em que o ato de adormecer é muito prolongado e se faz acompanhar de muitas exigências e da complacência excessiva dos pais.
Situacional– Quando, por exemplo, se dorme fora de casa. O calor ou a altitude extrema podem constituir, de igual forma, a causa da insónia.
Secundária a doença – Algumas doenças podem afetar o sono na medida em que os seus sintomas se manifestam mais durante a noite.
Secundária a abuso de drogas– Como é o caso da heroína, cocaína, álcool e drogas estimulantes.

Causas da Insónia

Primárias

As causas da insónia estão associadas a fatores internos do organismo:

  • Apneia do sono.
  • Movimentos involuntários.

Secundárias

Perturbações emocionais:
– Ansiedade.
– Nervosismo.
– Depressão.
– Temor.
Perturbações ambientais:
– Ausência de um ambiente adequado ao descanso.
Perturbações comportamentais: 
– Consumo de fármacos.
– Consumo de cafeína.
– Consumo de nicotina
– Consumo de álcool

– Consumo de outras drogas.

– Horários de sono desajustados (é frequente nas pessoas que trabalham por turnos).

Sintomas de Insónia

  • Incapacidade de adormecer (ou demorar mais de 30 minutos).
  • Acordar muitas vezes durante a noite.
  • Acordar muito cedo de manhã.
  • Ter um sono não reparador.
  • A pessoa não consegue dormir, apesar de ter condições para o fazer.
  • Para se diagnosticar insónia, estes sintomas precisam de estar presentes durante pelo menos um mês e interferir com o humor e/ou atividades.

Tratamento da Insónia

A modificação de alguns hábitos que interferem com a insónia ou o recurso a medicação específica ajudam a combater a insónia. Os episódios de insónia aguda, caso durem mais de alguns dias, devem ser tratados para prevenir a sua evolução para a cronicidade.

Algumas medidas ajudam a controlar e a combater a insónia:

  • Prática regular de exercício físico durante o dia, mas evitando a sua prática três ou quatro horas antes de dormir.
  • Criar alguma rotina nos hábitos de sono, adoptando um horário regular para ir dormir e para acordar no dia seguinte (incluindo fins de semana).
  • Evitar a ingestão excitantes como álcool, cafeína e nicotina ao longo do dia e, particularmente, nas últimas horas antes de ir para a cama.
  • Evitar refeições pesadas e ricas em gordura no período da noite, uma vez que são mais difíceis de digerir e perturbam o sono.
  • Criar um ambiente calmo e propício ao repouso.
  • Procurar ir para a cama apenas quando se tem sono. Se demorar mais de vinte minutos a adormecer, deve levantar-se e realizar qualquer tarefa relaxante até voltar a sentir sono.
  • Quando a insónia não ceder às medidas gerais de higiene do sono deve ser tratada através de técnicas de relaxamento ou através de medicação adequada. 
Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.