Joanetes: a maldição dos saltos altos

Joanetes: a maldição dos saltos altos

Se lhe falarmos em Hallux Valgus, provavelmente, não saberá de que falamos. Mas, e se lhe dissermos que este é o termo médico usado para a tão conhecida palavra joanetes? As mulheres são as mais afetadas, mas é possível evitá-los.


untitled-1-8



Incidência no feminino

De uma forma geral, os joanetes afetam mais mulheres do que homens. São elas que apresentam mais queixas e que procuram ajuda especializada. A explicação é simples e é dada pelo Dr. Manuel Resende de Sousa, ortopedista do Hospital Cuf Descobertas e do Hospital de São Francisco Xavier. “Os motivos estéticos e o conflito com o calçado constituem os principais motivos de recorrência à consulta”, explica-nos.


Sinais de alarme

Os principais sintomas são os sinais inflamatórios, a dor, o rubor e a vermelhidão sobre o dedo, podendo surgir uma ferida. “Na sua maioria, as doentes têm dificuldade em comprar sapatos que não mostrem a deformidade e vergonha nalgumas situações sociais em que os pés são visíveis e têm um joanete proeminente, como idas à praia ou à piscina”, explica o ortopedista.


Os culpados

As causas hereditárias estão associadas ao aparecimento de joanetes mas não são as únicas. “Em relação aos fatores predisponentes, podemos referir o uso de sapatos apertados e de saltos altos como a principal causa da alteração das forças do pé e do ante-pé que originam esta deformidade”. Os sapatos de salto alto devem ser usados apenas ocasionalmente pois esta medida constitui a única forma de prevenção dos joanetes. “Existem bandas que se colocam à volta do ante-pé que, na saliência, podem almofadar o conflito com o calçado mas não previnem o aparecimento da deformidade – ainda que possam reduzir as queixas”, salienta o Dr. Manuel Resende de Sousa.


Atenuar as queixas

Os indivíduos que têm queixas e não pretendam ser operados podem tomar um anti-inflamatório (aconselhado pelo médico) se a deformidade apresentar uma certa vermelhidão, por cima do  joanete, e sentirem dores. “Podemos ainda prescrever um gel tópico para recuperarem melhor mas, fundamentalmente, devem usar um calçado que não seja incomodativo. Se tiverem um bom calçado passam bem, sem dores”, recomenda o ortopedista, que acrescenta que “costumo dizer aos pacientes, mesmo aos mais reticentes, para usarem saltos mais baixos e um calçado mais largo à frente, o que lhes dará maior conforto e estabilidade.”.


Cirurgia para os joanetes

Uma das cirurgias realizadas num dos hospitais onde o Dr. Manuel Resende de Sousa dá consultas implica que o doente seja anestesiado do tornozelo para baixo.


O doente fica apenas com um bloqueio no tornozelo, que tem um efeito anestésico de cerca de 12 a 24 horas, o que é ótimo, porque não chega a sentir dor no pós-operatório e permite que comece logo no dia seguinte a calçar os sapatos pós-operatórios”, sugere o médico ortopedista.


Recuperação da cirurgia

Geralmente, o doente tem alta no dia seguinte à cirurgia. No pós-operatório, é recomendável que o doente tenha o pé elevado o máximo de tempo possível para que tenha menos inchaço, menos dores, melhore a cicatrização e consiga começar a usar os sapatos habituais.
“De uma forma geral, na recuperação de um joanete dito normal, o doente irá usar o sapato pós-operatório durante 4 a 6 semanas. A partir desse momento, geralmente retiro o sapato pós-operatório, passa a calçar o sapato regular, e posso sugerir uma liga (que irá exercer uma certa compressão da parte anterior do ante-pé) e um espaçador em silicone entre o primeiro e o segundo dedo que deverão ser utilizados durante 3 meses”, refere Manuel Resende de Sousa.


Repousar é essencial

Dependendo de cada caso e do plano cirúrgico sugerido, o doente deverá idealmente recuperar em repouso no primeiro mês, o que pode parecer excessivo para alguns pacientes. “Por vezes, 1 mês pode parecer muito tempo para o doente mas se, neste período, o doente se mantiver em repouso e afastado do seu local de trabalho, a diferença na reabilitação será óbvia.”


Saiba mais…

Geralmente, os doentes são operados num dia, têm alta no dia seguinte e voltam à consulta uma semana depois para rever o penso. Decorridas 2 semanas tiram os pontos e regressam à quarta semana pós-operatória para fazer uma radiografia em carga onde se pode confirmar se a cirurgia corrigiu a deformidade do ponto de vista angular e se os cortes nos ossos estão devidamente consolidados para se dar início ao uso do calçado regular.


4 conselhos anti-joanetes

  1. Use sapatos de salto moderado, com cunha – não devem ser completamente rasos.
  2. Se puder, reserve os sapatos de salto alto para ocasiões especiais.
  3. Se tem joanetes, calce uns sapatos confortáveis quando for trabalhar e troque-os por sapatos de salto alto quando chegar ao emprego. Quando regressar a casa volte a calçar os sapatos confortáveis.
  4. Se a questão estética não constitui um problema para si e, se não tem dores, não há necessidade de avançar para a cirurgia.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados