Prevenir a queda de cabelo

Prevenir a queda de cabelo

Todos perdemos cabelo. É normal. Mas às vezes caem mais do que o habitual. E é preciso estar atento, porque pode tratar-se de uma situação de alopecia (ausência, rarefação ou queda de cabelo, transitória ou definitiva), a qual se trata, com a ajuda de produtos dermocosméticos próprios e tratamentos. Mas que, acima de tudo, é preciso prevenir.


cabelos


Sabia que há mais de 100 mil cabelos no couro cabeludo? É verdade. Talvez por isso nem sempre se aperceba de que o cabelo cai. Entre os que ficam presos no pente ou na escova e os que se desprendem no banho são entre 80 a 150 os fios que perdemos diariamente. No entanto, esta queda diária do cabelo não constitui um problema, é que esta queda faz parte do ciclo da vida do cabelo. Todos os dias há cabelo que nasce, que cresce e que morre.


Fios em risco

Porém, há fatores que podem contribuir para uma queda mais acentuada do cabelo. Uns são controláveis, outros não:

  • Hereditariedade.
  • Doenças como as da tiroide, o lúpus e a diabetes.
  • Medicamentos como alguns usados no tratamento da depressão, do Acidente Vascular Cerebral (AVC) e do cancro.
  • Stress.
  • Alterações hormonais na mulher.
  • Desordens de ordem psiquiátrica como a tricotilomania, em que a pessoa arranca os próprios cabelos, destruindo os folículos.
  • Infeções fúngicas.
  • Exposição excessiva ao calor e ao cloro das piscinas.
  • Uso de produtos de higiene capilar demasiado agressivos.
  • Uso intensivo de acessórios (por exemplo, elásticos), penteados como tranças e aplicação de extensões.
  • Alimentação deficiente em vitaminas e sais minerais.

Quando é demais…

Pode acontecer que caiam mais fios de cabelo do que habitual, mais de 150 fios de cabelo por dia. E quando isso acontece de uma forma continuada, é provável que haja um desequilíbrio no couro cabeludo, isto é, que haja mais fios em queda do que em crescimento. Nesse caso, a renovação capilar pode estar ameaçada, abrindo caminho para um fenómeno que é conhecido como calvície, mas cuja designação mais correta é alopecia.

Falamos de alopecia quando há, efetivamente, uma perda acentuada de cabelo, com os fios a tornarem-se gradualmente mais finos. Em função da gravidade, tanto podem formar-se pontos calvos numa ou em mais zonas do couro cabeludo como pode haver perda total do cabelo.
A alopecia mais comum é a que é influenciada pela hereditariedade – ou androgenética, com o cabelo a cair segundo padrões diferentes consoante se é homem ou mulher:

  • No homem, a queda do cabelo começa normalmente nas têmporas e no topo da cabeça, progredindo em direção à nuca. É, com frequência, permanente, podendo ser total.
  • Na mulher, os fios vão ficando mais finos e escassos em todo o couro cabeludo, ainda que possa assistir-se a uma queda localizada mais acentuada. Raramente, há lugar à queda total do cabelo.

Independentemente do género, há um terceiro tipo de alopecia:

  • Alopecia areata, que tanto se pode manifestar em adultos como em crianças e que se carateriza pela perda súbita de cabelo em determinadas zonas do couro cabeludo, as chamadas peladas. Nalguns casos, há perda total do cabelo, inclusivamente dos pelos corporais.

No entanto, é importante não esquecer que existem épocas do ano, nomeadamente a primavera e o outono, mais propícias à queda de cabelo sem que isso signifique que sofra de alopecia. O pós-parto é, igualmente, uma fase em que se verifica maior queda de cabelo nas mulheres.


Alguns cuidados para prevenir a queda de cabelo

Em matéria de saúde, a prevenção é o melhor remédio e os cabelos não são exceção. Assim:

  • Lave o cabelo com água tépida e use produtos adequados ao seu tipo de cabelo e couro cabeludo.
  • Use uma escova adequada ao seu tipo de cabelo: cabelos encaracolados e espessos requerem cerdas espaçadas, que tanto podem ser naturais como de nylon; já cabelos finos e lisos beneficiam de cerdas naturais e mais apertadas.
  • Penteie-o com suavidade: comece pelas extremidades e vá subindo em direção ao couro cabeludo.
  • Use o secador o menos possível, mas, se utilizar, faça-o a 15 cm do cabelo e com uma temperatura baixa.
  • Alimente o seu cabelo por dentro: na sua dieta, privilegie alimentos como salmão, vegetais de folha escura, feijões e lentilhas, frutos secos – têm vitaminas essenciais.

Quando prevenir a queda de cabelo não é suficiente…

É certo que o melhor é prevenir a queda de cabelo, mas quando já há sinais de queda acentuada é preciso atuar. São várias as soluções que ajudam a restaurar a saúde capilar:

  • Produtos de aplicação tópica como champôs, ampolas e loções antiqueda, disponíveis em diferentes concentrações conforme se destinem a homens ou mulheres.
  • Medicamentos de receita médica obrigatória destinados a tratar a alopecia androgenética masculina e feminina.
  • Implantes e transplantes capilares: estes tratamentos consistem em “transplantar” cabelo de uma zona para outra. Habitualmente, é retirado cabelo da zona junto ao pescoço, que é recolocado na zona frontal da cabeça.

Cada caso é um caso, pelo que estas soluções carecem de aconselhamento profissional antes de serem adotadas.

Cuidar da saúde capilar é essencial para prevenir a queda de cabelo. No entanto, quando esta queda é excessiva poderá tratar-se de um caso de alopecia. Na dúvida, o melhor é recorrer a um especialista para fazer uma consulta de avaliação capilar, verificando o folículo, o cabelo e o couro cabeludo. Entre produtos de aplicação tópica, medicamentos, tratamentos capilares e transplantes capilares, o diagnóstico irá ditar a solução mais adequada ao seu caso.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados