Vai de férias para um destino tropical?

Vai de férias para um destino tropical?

Relaxamento
Última atualização: 24/11/2022
  • Antes de viajar é fundamental ter um plano de saúde profilático estabelecido pelo médico em função do destino das férias de sonho que sempre desejou.
  • Seguir os conselhos médicos nos países tropicais e exóticos é imprescindível para que, no regresso, apenas traga boas memórias e muitas histórias para contar.
  • Neste artigo explicamos quais os principais cuidados a ter antes de viajar, em viagem e depois da viagem, já em casa.

Descansar alguns dias num paraíso exótico implica várias precauções que devem ser tomadas antes, durante e depois da estadia. Pedir aconselhamento pode evitar dissabores e tornar a sua viagem perfeita.

Viajar para fora da Europa, em especial para países tropicais, é sempre uma oportunidade única de viver experiências marcantes, conhecer novas culturas e lugares. No entanto, as diferenças não são só paisagísticas e etnográficas. Em sítios exóticos, existem microrganismos e agentes patológicos contra os quais o sistema imunitário de um ocidental pode não estar preparado para se defender. Por isso, antes de uma viagem deverá sempre procurar aconselhamento de um especialista e ter alguns cuidados preventivos, essenciais para evitar dissabores em época de férias. Lembre-se, ainda, que convém evitar determinados destinos em época alta, onde exista muito calor, chuvas ou a possibilidade de furacões.

Antes da viagem: cuidados a ter

A marcação de uma consulta do viajante é provavelmente o primeiro passo se está a pensar viajar para um país tropical. Como explica o site do SNS 24, nesta consulta será informado sobre medidas preventivas (ou curativas) a adotar antes, durante e depois da viagem, em função do destino, da viagem e de quem viaja.

Estas medidas incluem:

 

  • vacinação ou toma preventiva de medicação contra múltiplas doenças de risco baixo ou inexistente em Portugal;
  • A informação sobre higiene individual e cuidados a ter com a água e os alimentos que se ingerem;
  • O aconselhamento e prescrição da farmácia do viajante que pode ou deve levar consigo;
  • Informações sobre assistência médica, riscos de acidentes e segurança ou outros nos destinos para que viaje.

 

Estas consultas, que são extremamente importantes para os viajantes saudáveis e em particular para grávidas, crianças, idosos e indivíduos com doenças crónicas.

O Ministério da Saúde aconselha igualmente a consulta que está disponível na secção conselhos aos viajantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Onde e quando marcar as consultas de saúde do viajante?

De acordo com o Ministério da Saúde, há consultas e centros de vacinação internacional espalhados por todo o país, em cada uma das Administrações Regionais de Saúde e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

A sua marcação deve ser feita com pelo menos 1 a 2 meses antes da viagem e deve levar consigo:

 

  • Documento de identificação;
  • Documento com número de utente de serviço de saúde;
  • Boletim individual de saúde/vacinas;
  • Certificado internacional de vacinação (se já o tiver).

O que deve ser aconselhado sobre vacinas?

Antes de viajar verifique se as crianças e jovens até aos 18 anos têm as vacinas do Programa Nacional de Vacinação (PNV) atualizadas.

Aos adultos recomenda-se que tenham atualizada a vacina contra o tétano e difteria e ainda a vacina contra o sarampo. Recorde-se que as vacinas incluídas no Plano Nacional de Vacinação são administradas gratuitamente nos centros de saúde e não necessitam de prescrição médica.

Depois, dependendo do destino e do tipo de viagem podem ser recomendadas vacinas específicas, devendo ainda ter em atenção que as recomendações para viajantes são frequentemente atualizadas de acordo com a situação epidemiológica das doenças.

Geralmente, são aconselhadas as vacinas contra a cóleradifteria, sarampo, papeira e rubéola, encefalite japonesa, hepatites A e B, gripe, raiva, tétano e febre tifoide. Já a vacina da febre-amarela é obrigatória para entrar em África, América Central e América do Sul. E se o seu destino é Meca, a Arábia Saudita exige a vacina da meningite meningocócica. Como não existe vacina para a malária, a mais mortífera doença tropical, os medicamentos profiláticos terão de ser iniciados uma semana antes da viagem e só serão terminados no final da quarta semana depois de regressar de viagem.

Na mala, é obrigatório levar roupas confortáveis, mas que cubram as pernas e braços, protetor solar, repelente de insetos, bem como um kit médico de emergência com anti-histamínicos e antipiréticos.

Durante a viagem: cuidados a ter

malária é um dos riscos principais nas viagens para os países tropicais. Ao contrário dos mosquitos responsáveis pela dengue e febre-amarela, que atacam ao longo do dia, o Anopheles pica ao crepúsculo, à noite e ao amanhecer. Por isso, tenha especial atenção nestas alturas do dia, recorrendo a repelentes de insetos, vestindo roupas compridas e dormindo protegido por redes mosquiteiras impregnadas. É igualmente importante seguir os conselhos médicos para evitar gastroenterites, diarreias ou outros distúrbios mais graves como a hepatite, a cólera ou a febre tifoide.

Como prevenir a diarreia do viajante?

Segundo a Direção-Geral da Saúde, a diarreia é uma das principais causas de doença nas pessoas que viajam para destinos internacionais, atingindo 20 a 50%. Em indivíduos suscetíveis pode ser grave.

Prevenir a diarreia significa nem sempre comer “quando, onde e onde se quer”. É aconselhável:

 

  • Beber somente água engarrafada;
  • Comer alimentos lavados;
  • Lavar frequentemente as mãos;
  • Comer em restaurantes e não comprar comida ou bebidas vendidas na rua;
  • Evitar saladas contendo legumes e frutas crus, bem como molho mantido sobre a mesa em potes abertos;
  • Descascar a própria fruta;
  • Ingerir somente bebidas gaseificadas engarrafadas ou bebidas preparadas com água fervida;
  • Os cubos de gelo devem ser feitos com água previamente fervida.

Depois da viagem: cuidados a ter

Depois de terminar a sua viagem, não se pode esquecer de concluir a toma da medicação profilática até ao prazo estabelecido pelo médico. Se notar alguma alteração e sentir algum mal-estar após o regresso deverá consultar o médico infeciologista para diagnosticar através de observação clínica, análises e, eventualmente, exames médicos se contraiu alguma doença. Deve agir com a maior rapidez para evitar danos irreversíveis.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados