Vem aí o inverno! Defenda-se

Vem aí o inverno! Defenda-se

Abel García Abejas, especialista em Medicina Geral e Familiar no Hospital CUF Descobertas aponta algumas das estratégias para se proteger das principais doenças desta estação: gripe, constipação, amigdalite e pneumonia.


vem-ai-o-inverno

Com a chegada do frio, sentimo-nos mais vulneráveis e não é por acaso: o nível de ameaça à nossa saúde sobe. Os espaços fechados, mal ventilados ou com muitas pessoas, as alterações bruscas de temperatura são situações em que as bactérias e vírus proliferam e podem traduzir-se em problemas respiratórios. Identificar a patologia é essencial para dar a resposta mais adequada, alertam os médicos. Com a ajuda de Abel García Abejas, especialista em Medicina Geral e Familiar no Hospital CUF Descobertas, em Lisboa, proteja-se das quatro doenças mais comuns nesta fase do ano.


Bons hábitos

“A forma melhor de se proteger contra estas quatro patologias é estimular hábitos de vida saudáveis, atividade física regular e medidas gerais de proteção, como lavar as mãos e evitar contacto próximo com pessoas infetadas” recorda o médico. A prática física não deve ser esquecida no inverno, e uma caminhada ao ar livre, com o equipamento adequado, pode trazer mais vantagens do que uma hora fechado no ginásio. Além dos benefícios para a saúde cardiovascular, respiratória o desporto reduz o stress. Este é um fator de “fragilidade”, alerta Abel García Abejas, uma vez que “provoca uma instabilidade emocional e no nosso sistema imunológico o que nos condiciona a poder ser mais suscetíveis de sofrer este tipo de doenças.”   


Constipação vs gripe

Embora sejam ambas doenças virais com sinais semelhantes – rouquidão, fadiga, mal-estar, arrepios, tosse, obstrução nasal – é a intensidade dos sintomas que ajuda a distinguir a gripe de uma constipação, nomeadamente da febre (ligeira e menos comum na constipação em adultos). “A gripe cursa com mais febre assim como com sintomas sistémicos mais marcados como astenia, anorexia e mialgias (dores musculares).”A persistência dos sintomas pode indiciar outro problema ou infeção bacteriana, pelo que a avaliação médica é importante. A toma de antibióticos não está indicada nestas patologias, uma vez que não resultam de infeção bacteriana.

A prevenção passa, sobretudo, por uma boa higiene. Segundo o médico, “a toma da vacina traz vantagens para a população geral como mecanismo para evitar ou treduzir os casos de infeção. Contudo, terá mais-valias nos grupos de risco”. A vacina é gratuita para pessoas imunodeprimidas, maiores de 65 anos e internados em instituições, grávidas, profissionais de saúde, doentes a aguardar transplante, sob quimioterapia, com trissomia 21, fibrose quística, doença neuromuscular e com défice de alfa-1 antitripsina.


Amigdalite

Tipicamente associada à infância, esta patologia que se caracteriza pela dor de garganta, rouquidão e dificuldade em deglutir tem também na sua origem uma infeção viral ou bacteriana (mais comum). São a primeira linha de defesa imunitária do organismo e particularmente sensíveis até à puberdade. O diagnóstico médico é importante para definir o tratamento, muitas vezes antibiótico. Entre as medidas de prevenção habituais, a higiene assume relevância. Deve substituir a escova de dentes da criança e alertá-la para evitar partilhar copos, talheres, tossir ou espirrar para um lenço e lavar bem as mãos depois.


Pneumonia

Não é uma doença sazonal, embora seja mais comum no inverno. O motivo está permanência mais prolongada em espaços fechados poluídos, fatores que em paralelo com o tabagismo aumentam o risco de infeção. Esta inflamação respiratória atinge os alvéolos e bronquíolos, que acumulam líquido, impedindo o bom funcionamento pulmonar. Os sintomas – febre, tosse, mal-estar – evoluem rapidamente e surgem associados a dificuldade respiratória. Pode ter início numa infeção viral ou bacterina ou surgir na sequência de uma gripe ou constipação. Dor no peito, febre alta e persistente e tosse com expetoração são os principais sintomas diferenciadores. Os principais grupos de risco são as crianças até aos dois anos e adultos maiores de 65, é também comum em pessoas hospitalizadas.


O médico recomenda

A duração e intensidade dos sintomas são as principais razões para procurar ajuda. Deve marcar uma consulta de Medicina Geral e Familiar “após 48 horas com febre persistente mesmo com a toma de medicamentos para tal efeito ou se notar um agravamento do estado geral”, exemplifica Abel García Abejas. De todas as estratégias comuns há uma que deve evitar a todo o custo – a automedicação ou toma de indiscriminada de antibióticos – pois “torna mais complicados os diagnósticos e aumenta as resistências aos mesmos”, alerta.


Nestas doenças típicas de inverno, a automedicação, em especial com antibióticos, é o erro mais comum, alerta Abel García Abejas. “É preferível ir ao seu médico de família mesmo no dia.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados