Dislipidemia

A dislipidemia consiste na concentração anormalmente elevada de gordura no sangue (colesterol, triglicéridos ou ambos). Este fenómeno ocorre devido à desregulação dos mecanismos orgânicos que interferem com o a metabolização das gorduras, provocando uma patologia denominada aterosclerose.

Os valores das lipoproteínas (biomoléculas que armazenam gordura) tendem a aumentar com a idade, sendo normalmente mais elevados nos homens do que nas mulheres, mas após a menopausa os géneros equiparam-se.

As dislipidemias podem ser:

  • Hipercolesterolemia isolada (colesterol elevado).
  • Hipertrigliceridemia isolada (triglicéridos elevados).
  • Dislipidemia mista (colesterol e triglicéridos elevados).

Cada pessoa elimina as gorduras do sangue ao seu ritmo. Uma pessoa pode ingerir grandes quantidades de gordura e não ter o valor do colesterol total acima dos 200 mg/dl, enquanto outra pode seguir uma dieta com poucas gorduras e nunca ter o valor do colesterol total abaixo de 260 mg/dl. Esta diferença parece dever-se, em parte, à determinação genética, que define a velocidade com que as lipoproteínas entram e são eliminadas do sangue.

A maior parte das subidas nas concentrações de triglicéridos e colesterol são temporárias e não são graves, devendo-se principalmente à ingestão de gorduras.

A dislipidemia é um problema comum na população, sendo considerada um fator de risco altamente modificável para doenças cardiovasculares devido à influência do colesterol – uma das substâncias lipídicas clinicamente mais relevantes na aterosclerose. Algumas formas de dislipidemia podem também predispor à pancreatite aguda.

 

Causas Primárias de Dislipidemia:

A dislipidemia pode dever-se a defeito genético único como na hipercolesterolemia familiar, ou devido a efeitos aditivos de múltiplos genes. Podem resultar numa superprodução defeituosa dos triglicéridos, de colesterol LDL (lipoproteínas de baixa densidade – Low Density Lipoproteins), ou distúrbios no metabolismo de colesterol HDL (lipoproteínas de elevada densidade – High Density Lipoproteins).

Problemas genéticos mais comuns:

  • Deficiência de Apolipoproteína A, B, C ou E.
  • Distúrbio de lipoproteínas alfa ou beta.
  • Defeito no gene ABCA1 ou no gene LCAT.
  • Distúrbios hormonais hereditários (como diabetes tipo I).

Causas Secundárias de Dislipidemia:

  • Obesidade.
  • Ingestão excessiva de gordura saturada.
  • Resistência à insulina.
  • Diabetes mellitus, não controlada.
  • Consumo excessivo de álcool.
  • Doença renal ou hepática.
  • Hipotiroidismo.
  • Hipófise hiperfuncionante.
  • Cirrose biliar primária e outras patologias biliares.

Efeitos secundários de alguns medicamentos, como:

  • Fármacos diuréticos - tiazidas.
  • Alguns betabloqueadores.
  • Anticoncecionais.
  • Psicotrópicos.
  • Estrogénios.
  • Corticosteroides.

Sintomas de Dislipidemia

Colesterol (a amarelo) em circulação na corrente sanguínea.

Em geral, os valores elevados das gorduras não provocam sintomas. Por vezes, quando os valores são particularmente altos, a concentração de gorduras forma depósitos nos tendões e na pele chamados xantomas.

As concentrações muito altas de triglicéridos (800 mg/dl e mais) podem causar um aumento do tamanho do fígado e do baço e sintomas de pancreatite, com uma forte dor abdominal.

 

Tratamento de Dislipidemia

O diagnóstico é feito a partir da análise laboratorial, dos níveis plasmáticos de Colesterol total, LDL, HDL e Triglicerídeos (Colesterol total maior que 190 mg/dl, LDL maior que 100 mg/dl e/ou triglicéridos maior 150 mg/dl).

O tratamento farmacológico da dislipidemia só se inicia após a correção dos hábitos de vida, que muitas vezes é o suficiente para a normalização dos valores laboratoriais.

  • Diminuição da ingestão de gorduras saturadas, aumentando a ingestão de lípidos monoinsaturados, de fibras e de carboidratos complexos. A consulta de um nutricionista costuma revelar-se útil, para todas as faixas etárias.
  • Limitação de ingestão de alimentos de origem animal (carne, leite e queijos gordos), açúcares e álcool.
  • Aumento da ingestão de frutas, legumes e leguminosas.
  • O exercício físico ajuda à redução dos valores de colesterol LDL e aumento de colesterol HDL, sendo essencial para controlar o peso e o índice de massa corporal.

Quando a alteração dos hábitos de vida, não se mostra eficaz, muitos doentes necessitam de medicação (estatinas, fibratos, ácido nicotínico, sequestradores de sais biliares) de forma a reduzir o risco cardiovascular.

 

Dislipidemias Hereditárias

Os valores do colesterol e dos triglicéridos são mais elevados nas pessoas com dislipidemias hereditárias. Cada um dos cinco tipos principais da hiperlipoproteinémia provoca um perfil diferente de gorduras no sangue e um conjunto diferente de riscos.

A hiperlipoproteinémia tipo 1 (hiperquilomicronemia familiar) – é uma perturbação hereditária rara, presente desde o nascimento, em que o organismo é incapaz de eliminar os quilomicras do sangue.

  • As crianças e os adultos jovens com hiperlipoproteínemia tipo 1 sofrem repetidos ataques de dor abdominal. Têm o fígado e o baço aumentados e desenvolvem depósitos cutâneos de gordura de cor rosa-amarelada (xantomas eruptivos).
  • As análises de sangue mostram concentrações extremamente elevadas de triglicéridos. Esta perturbação não leva à arteriosclerose, mas pode causar pancreatite, que pode ser mortal. As pessoas com esta perturbação devem evitar comer gorduras de todos os tipos.

hiperlipoproteinémia tipo 2 (hipercolesterolemia familiar) – é uma perturbação hereditária que provoca uma arteriosclerose acelerada e morte prematura, em geral de enfarte do miocárdio.

  • As pessoas com hiperlipoproteínemia tipo 2 têm valores elevados de colesterol LDL. A concentração de gorduras forma depósitos (xantomas) nos tendões e na pele.
  • Um em cada seis homens com esta perturbação sofre um ataque cardíaco aos 40 anos, enquanto dois em cada três sofrem-no aos 60.
  • As mulheres com hiperlipoproteínemia tipo 2 também correm um risco elevado, mas com um começo mais tardio; aproximadamente uma em cada duas mulheres com esta perturbação terá um ataque cardíaco aos 55 anos de idade.
  • As pessoas que têm dois genes para esta perturbação (uma incidência rara) podem apresentar valores de colesterol total de 500 a 1200 mg/dl e com frequência, morrem na infância, de doença coronária.
  • O tratamento passa por evitar o tabaco e o excesso de peso, administração de fármacos, dieta pobre em gorduras, e exercício físico.

A hiperlipoproteinémia tipo 3 – é uma perturbação hereditária pouco frequente que conduz a valores elevados de colesterol VLDL (proteínas de muito baixa densidade – Very Low-density Lipoprotein) e triglicéridos.

  • Nos homens com hiperlipoproteínemia tipo 3, os depósitos gordos aparecem na pele na fase adulta precoce.
  • Nas mulheres, estes aparecem de 10 a 15 anos mais tarde. O excesso de peso contribui para que o problema se manifeste antes.
  • A aterosclerose obstrui com frequência as artérias e diminui o fluxo de sangue às pernas nas pessoas de meia-idade.
  • As análises de sangue mostram concentrações elevadas de colesterol total e triglicéridos. Nestes indivíduos, o colesterol é, essencialmente, VLDL.
  • Estes indivíduos têm com frequência diabetes ligeira e valores elevados de ácido úrico no sangue.

O tratamento pressupõe atingir e manter um peso ideal e ingerir menos colesterol e gorduras saturadas. Geralmente são necessários medicamentos que reduzam os lípidos. Os valores sanguíneos de gordura podem ser quase sempre reduzidos a valores normais, diminuindo assim a incidência da arteriosclerose.

Hiperlipoproteinémia tipo 4 – é uma perturbação frequente que afeta muitas vezes vários membros de uma mesma família, e provoca valores altos de triglicéridos.

  • Esta perturbação pode aumentar o risco de desenvolvimento da arteriosclerose.
  • As pessoas com hiperlipoproteínemia tipo 4 costumam ter muitas vezes excesso de peso e diabetes.
  • É benéfico reduzir o peso, controlar a diabetes e evitar o consumo de álcool. Também é benéfica a administração de fármacos que reduzam os valores dos lípidos.

Hiperlipoproteinémia tipo 5 – é uma perturbação pouco frequente em que o organismo não pode metabolizar e eliminar suficientemente o excesso de triglicéridos.

  • Podendo ser hereditária, esta perturbação também pode ser induzida pelo abuso de álcool, diabetes mal controlada, insuficiência renal ou ingestão de alimentos depois de um período de inanição. Quando é herdada, a perturbação manifesta-se, habitualmente, pela primeira vez, na fase adulta precoce.
  • As pessoas com hiperlipoproteínemia tipo 5 podem ter um grande número de depósitos gordos (xantomas) na pele, um aumento no tamanho do fígado e do baço e dor abdominal.
  • É frequente haver uma diabetes ligeira e uma grande concentração de ácido úrico.
  • A maioria das pessoas com este tipo de hiperlipoproteinémia têm excesso de peso.
  • A principal complicação deste quadro é a pancreatite, uma patologia que pode ser mortal.
  • O tratamento consiste em evitar as gorduras na dieta, controlar o peso e não ingerir bebidas alcoólicas. Os medicamentos que reduzem os lípidos podem ser úteis.

Artigo revisto e validado pela especialista em Medicina Geral e Familiar Isabel Braizinha.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados