Os segredos de uma boa alimentação

Os segredos de uma boa alimentação

De forma a equilibrar a sua dieta e adotar hábitos saudáveis, descubra os segredos de uma alimentação saudável, de como ter um corpo em forma e por que razão as dietas drásticas não resultam.


untitled-2-2



Hábitos certos

O primeiro passo consiste em deixar para trás os alimentos ricos em gorduras e a ingestão excessiva de hidratos de carbono. Como defende a dietista Teresa Diniz, “devemos optar por alimentos leves, de fácil digestão e ricos em água, como saladas, legumes, sopas, fruta, peixes e carnes magras. Devemos evitar os fritos e molhos, bem como, alimentos industrializados ricos em sódio, privilegiando uma alimentação rica em vitaminas e minerais”. Manter-se bem hidratado assume especial importância, uma vez que “não se deve esperar sentir sede para ingerir líquidos, pois essa sensação é um sinal de desidratação”, alerta a dietista. Certifique-se de que faz uma alimentação fracionada de “quatro até 6/7 refeições diárias, ou seja, 3 refeições principais (pequeno-almoço, almoço e jantar) e pequenas refeições intermédias, que evitem períodos de jejum prolongados”, aconselha a dietista. Inicie as refeições principais sempre com uma sopa ou salada.


Alimentos a privilegiar

Numa dieta saudável nenhum grupo deve ficar esquecido, mas convém fazer as opções certas. Assim, prefira o peixe e as carnes magras, reforce o consumo de hidratos de carbono complexos (arroz, massas, leguminosas, pão de mistura) e evite os hidratos de carbono simples (como o açúcar e todos os produtos que o contêm) sugere Teresa Diniz. Aumente a quantidade de fibra na dieta, ingerindo a fruta com casca e apostando nos vegetais. Dê preferência aos produtos integrais, como o pão de centeio, arroz e farinhas integrais, mais nutritivos e saciantes. As gorduras são essenciais ao organismo e ricas em vitaminas A, D, E e K. O seu consumo requer moderação, com preferência pelas gorduras mono e polinsaturadas, evitando as saturadas. Segundo a dietista,


os ácidos gordos monoinsaturados são os que o organismo melhor tolera. O seu consumo está associado à diminuição da fração LDL do colesterol sanguíneo (mau colesterol) e à manutenção da integridade celular. O azeite é definitivamente o maior fornecedor alimentar de ácidos gordos monoinsaturados, devendo por isso ser sempre preferido em relação a outras gorduras, tanto para cozinhar, como para temperar.

Os ácidos gordos polinsaturados ómega-3 e 6 podem ser encontrados em “óleos vegetais, frutos oleaginosos, cereais integrais, sementes, gordura de peixe, óleo de fígado de peixe e hortícolas de cor verde-escura” afirma.


Cuidado com as dietas

Primeiro, importa identificar a origem do problema, pois a dificuldade na gestão do peso pode ser reveladora de desequilíbrios alimentares. Consumo excessivo de sal, gorduras ou açúcares são erros comuns e que têm impacto na saúde, como recorda a dietista: “hipertensão, diabetes, dislipidemias, com consequente aumento de doenças cerebrais (Acidente Vascular Cerebral - AVC) e cardiovasculares (enfarte do miocárdio) e obesidade, entre outros”. Se pretende perder peso, seguir dietas drásticas é precisamente o que não deve fazer.

De acordo com Teresa Diniz, “o principal problema é que são dietas rápidas e falíveis. Não promovem a educação alimentar e a procura de uma alimentação variada, saudável e equilibrada. São utilizadas por curtos períodos, retomando-se a alimentação habitual e, logo, o ganho de peso. Muitas podem até ser desequilibradas nutricionalmente e comprometer a saúde”. A restrição de nutrientes é regra frequente nestas dietas. “Um dos principais erros de quem quer perder peso é, precisamente, o de retirar da alimentação os farináceos e optar por ingerir mais carne apenas com legumes ou saladas. Nada mais errado! Desta forma, ingere maior quantidade de gordura presente na carne e como a ingestão de alimentos saciantes é reduzida ou mesmo ausente, a fome vai surgir mais cedo”, alerta.


Gerir o peso

Uma gestão de peso saudável deve ter em conta a alimentação, o exercício físico regular e o tempo necessário. “A perda de peso deve ser sempre gradual e lenta, permitindo consolidar medidas dietéticas e de exercício ao longo do percurso. Quando existem comorbidades associadas (diabetes ou hipertensão), uma perda de 10% do peso atual já se traduz em melhorias significativas sob o ponto de vista metabólico”, explica a dietista. Regra geral, para um indivíduo saudável, “uma perda de peso de 500 g/semana é aceitável e exequível, ou seja, cerca de dois a três quilos/mês”, acrescenta Teresa Diniz.

O que dita a sua balança não é o único dado a ter em conta. Como alerta a dietista, “o peso deve ser conjugado com outras variáveis como a idade, género, índice de massa corporal, avaliação da composição corporal percentagem de água, gordura corporal, massa muscular), entre outros”. Faça refeições regulares.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados