COVID-19: Quase dois anos depois, e agora?

COVID-19: Quase dois anos depois, e agora?

Saúde e Medicina
Última atualização: 29/11/2022
COVID-19: Mais de dois anos depois, o que se segue?

Já se passaram mais de dois anos desde que o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez. Numa altura em que a vacina é já uma realidade e alguns medicamentos para tratar a infeção foram já aprovados, importa resumir o que se sabe e perceber o que se segue.

Desde que foi detetado na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro de 2019, o SARS-CoV-2 já afetou cerca de 603 milhões de pessoas em todo o mundo, tendo sido a causa de mais de 6 milhões de mortes, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).  No nosso país, e de acordo com informação da Direção-Geral da Saúde (DGS), já perderam a vida mais de 24 mil pessoas devido à Covid-19 e mais de 5 milhões de pessoas foram diagnosticadas com a infeção pelo vírus SARS-CoV-2.  

Tendo em conta o vasto número de casos diagnosticados e o muito que a COVID-19 tem vindo a ser estudada mundialmente, atingiu-se já um corpo de conhecimento bastante robusto sobre esta infeção. Ainda assim, e apesar das vacinas que já estão a ser administradas e dos medicamentos aprovados ou a aguardar aprovação para tratar a infeção, muito há ainda por descortinar, nomeadamente, no que diz respeito aos efeitos de longo prazo da doença. Ao mesmo tempo, há também uma dúvida que o mundo inteiro partilha: como é que se sabe quando a pandemia irá acabar? Reunimos aqui a informação mais recente sobre estes temas, com vista a responder às dúvidas que, por esta altura, assolam a maior parte das pessoas.

Vacinas – um processo como nunca visto antes

 

Durante os primeiros tempos de pandemia, quando o isolamento foi ditado como forma de conter a propagação do SARS-CoV-2, o mundo inteiro depositou grandes esperanças no desenvolvimento de uma vacina. A resposta por parte de cientistas, académicos e da indústria farmacêutica não se fez esperar e, ao fim de aproximadamente nove meses, começaram a ser conhecidas as primeiras vacinas contra a COVID-19. Atualmente, na União Europeia, são oito as vacinas contra a COVID-19 autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) entre as quais a Comirnaty (BioNTech/Pfizer), Spikevax (Moderna), Vaxzevria (AstraZeneca/Oxford) e COVID-19 Vaccine Janssen (Janssen/J&J). 

Uma das principais dúvidas que surgiram, quando as vacinas começaram a ser administradas, foi a rapidez com que foram desenvolvidas, mas a resposta a esta questão é muito simples, como explica, num vídeo destinado a esclarecer a população sobre o assunto, o cientista Bruno Silva Santos: “[A rapidez] deveu-se, em primeiro lugar, aos avanços tecnológicos que permitiram adaptar para este vírus uma tecnologia previamente desenvolvida, testada e validada em seres humanos. Em segundo lugar, ao empenho da comunidade científica e das farmacêuticas, que atacaram este problema de várias frentes e essencialmente com recursos ilimitados. E, em terceiro lugar, à avaliação imediata, em tempo real, dos resultados dos ensaios clínicos por parte das agências reguladoras, mantendo o seu grau de exigência, mas com um extraordinário grau de urgência, que lhes permitiu validar a eficácia destas vacinas, mas nunca comprometendo a sua segurança.”

Quantas doses de vacina já foram administradas?

 

Já foram administradas mais de 12 mil milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 no mundo e mais de 24 milhões no nosso país. Portugal tem uma taxa de 86,4% da população vacinada com, pelo menos, duas doses.

Uma esperança que não resolve tudo

 

Outra questão que preocupou muitas pessoas globalmente – e ainda preocupa, apesar da crescente informação sobre o assunto – prende-se com a segurança das vacinas contra a COVID-19. Como sublinha, também num vídeo de divulgação científica, Miguel Prudêncio, parasitologista, “a vacina é absolutamente segura”, reforçando que “as vacinas desenvolvidas contra a COVID-19 passaram, como qualquer outra vacina, por um processo rigoroso de avaliação da segurança e da eficácia”. Nas suas palavras, “os dados recolhidos ao longo destes ensaios foram criteriosamente analisados pela comunidade científica e pelas agências reguladoras, compostas por peritos independentes”, acrescentando que “só uma vacina que mostre ser segura e eficaz é autorizada”. Além disso, o investigador salienta que “não foram observados efeitos secundários graves nos cerca de cem mil participantes nos ensaios clínicos das vacinas aprovadas e em aprovação”.

Apesar da eficácia comprovada das vacinas, vários estudos têm vindo a dar conta de que aquela poderá, afinal, não ser tão duradoura como se gostaria. Por exemplo, em agosto de 2021, a revista Nature publicou um estudo, segundo o qual as vacinas BioNTech/Pfizer e AstraZeneca/Oxford são eficazes contra a variante delta, cuja transmissibilidade é muito elevada, mas a sua proteção vai decaindo ao longo do tempo. 

Dados de outro estudo, este publicado em outubro de 2021 na revista científica The Lancet, indicam que a vacinação reduz o risco de infeção pela variante delta, no entanto, os indivíduos totalmente vacinados infetados apresentam uma carga viral semelhante aos não vacinados, podendo transmitir a infeção, nomeadamente, em ambientes domésticos e a pessoas que apresentem o esquema vacinal completo. Segundo os investigadores, as conclusões a que chegaram “ajudam a explicar porque é que a variante delta tem sido transmitida com tanta eficácia em populações com elevada cobertura da vacina”. Assim, apesar de sublinharem que as vacinas existentes são eficazes para prevenir a gravidade da doença e a mortalidade por COVID-19, concluem que “a vacinação por si só não é suficiente”, realçando a necessidade de medidas não farmacológicas de proteção individual das pessoas pertencentes a grupos de risco.

Terceira dose

 

No mesmo estudo, financiado pelo National Institute for Health Research, agência governamental do Reino Unido dedicada à investigação sobre saúde, os investigadores defendem a importância de se vacinar não só as pessoas de grupos de risco, mas reconhecem também a necessidade de se aumentar a imunidade de grupo através de programas de reforço e de vacinação de adolescentes, como forma de fazer face à atual eficácia limitada da vacinação na transmissão.

Em Portugal, o programa de reforço já está em marcha, tendo arrancado em outubro de 2021 o processo de administração da terceira dose.

Medicamentos: lutar noutra frente

 

Para combater a pandemia, além da proteção não farmacológica individual e das vacinas, é também necessário o desenvolvimento de tratamentos eficazes no combate à infeção provocada pelo SARS-CoV-2. Recentemente, e após a luz verde dada pela EMA, a Comissão Europeia aprovou, no dia 12 de novembro de 2021, dois tratamentos de anticorpos monoclonais para a COVID-19, o Ronapreve (casirivimab/imdevimab) e o Regkirona (regdanvimab). Os anticorpos monoclonais são proteínas produzidas em laboratório que se ligam a partes específicas do vírus para ajudar o sistema imunitário a reconhecê-las e a combater a doença, imitando os mecanismos que o sistema imunitário usa para se defender do vírus SARS-CoV-2.

Estes foram os primeiros fármacos para esta doença a receber autorização na Europa desde que o antivírico Veklury (remdesivir) foi aprovado, mas continuam a existir dúvidas sobre a eficácia dos mesmos.

Entretanto, vários outros medicamentos contra a COVID-19 foram desenvolvidos e testados tais como o Evusheld (tixagevimab /clivamab), o Paxlovid, (PF-0732133/ ritonavir), o RoActemra (tocilizumab) o Xevudy (sotrovimab) e ainda o Kineret (anakinra). Ainda temos, a MSD anunciou resultados animadores para os seus primeiros tratamentos contra a COVID-19, com o Molnupiravir. Trata-se de um antiviral que reduz a capacidade de replicação do vírus, contribuindo para desacelerar a doença. A farmacêutica relata uma forte redução nas hospitalizações entre os doentes tratados (diminuição para metade).

Como um fármaco antigo tem poupado vidas

 

Mas nem só de medicamentos inovadores se faz o tratamento da COVID-19. Um dos que mais têm sido usados com sucesso nos hospitais do mundo inteiro é a dexametasona, um esteroide acessível, usado há décadas, e que já salvou um milhão de vidas desde que se percebeu, no ano passado, que podia ser usado com eficácia no tratamento da COVID-19. Segundo um estudo levado a cabo no Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla em inglês), este fármaco salvou 22 mil vidas no Reino Unido e cerca de um milhão no mundo, sendo que a dexametasona reduz o risco de morte em cerca de um terço nos doentes com COVID-19 que precisam de ser ligados a ventiladores e em cerca de um quinto nos doentes que necessitam de oxigénio. 

Mais recentemente, um novo estudo veio confirmar que este medicamento é eficaz no tratamento de doentes hospitalizados com COVID-19: numa amostra com mais de 2 mil pessoas, no Reino Unido, mostrou reduzir o risco de admissão em unidades de cuidados intensivos e de morte em 56% (incluindo doentes diabéticos). Note-se que este medicamento estava já disponível no mercado como genérico, sendo usado há anos no tratamento de doenças autoimunes, formas graves de alergia, enjoos, inflamação ocular e também como anti-inflamatório. Recorde-se que a aprovação da EMA para a utilização da dexametasona no tratamento da COVID-19 remonta a setembro de 2020. 

Quando a Covid persiste

 

A Condição pós-COVID-19, e a OMS até já criou uma definição para ajudar os médicos no seu diagnóstico: a Condição pós-COVID-19 é uma condição que pressupõe a existência de, pelo menos, um sintoma da COVID-19, o qual começa a manifestar-se normalmente três meses a partir do início da infeção e persiste pelo menos durante dois meses, não podendo ser explicada por outro diagnóstico.

Entre os sintomas persistentes mais comuns contam-se a fadiga, dispneia (falta de ar) e disfunção cognitiva. Em relação a esta última, refira-se que é designada habitualmente como brain fog/nevoeiro cerebral e o conjunto de sintomas neurológicos atribuídos a sequelas da infeção é já referido como COVID neurológica, tal é o impacto que está a ter entre as queixas relatadas pelos doentes que padecem desta manifestação da doença.

Outros sintomas da Condição pós-COVID-19, num total de cerca de 200, incluem dores no peito, de garganta e/ou de cabeça, anosmia (perda de olfato) e/ou disgeusia (perda do paladar), fraqueza muscular, palpitações cardíacas ou até alopécia (queda de cabelo). O mais comum é que estes sintomas durem cerca de três meses, mas há também relatos de maior duração, sendo que a sintomatologia se pode revelar logo durante a infeção ou após a recuperação de um episódio agudo de COVID-19.

Segundo um estudo levado a cabo por investigadores do Penn State College of Medicine, EUA, estima-se que mais de metade do total de pessoas infetadas por COVID-19 irão desenvolver Condição pós-COVID-19. Outra pesquisa, esta conduzida na Universidade de Oxford e envolvendo mais de 270 mil pessoas que tiveram COVID-19, detetou pelo menos um sintoma cerca de três a seis meses após a infeção em 37% dos participantes, sendo que os sintomas são mais comuns entre os doentes que precisaram de hospitalização. Por outro lado, e de acordo com os dados de uma investigação da Universidade de Harvard, pessoas de várias idades podem apresentar sintomas duradouros da COVID-19, mas há indícios de que este problema pode afetar mais frequentemente pessoas com menos de 65 anos, pelo que os investigadores realçam a importância da vacinação para reduzir o risco de sequelas da COVID-19 entre os adultos mais jovens.

E agora?

E agora?

 

Não se sabe, como nem quando a pandemia deixará de existir, ou a COVID-19 passará a ser encarada como uma outra doença infeciosa com a qual teremos de aprender a lidar no dia a dia.

Mas sabe-se que, para chegar a essa fase, é imprescindível que o mundo inteiro progrida a um ritmo semelhante. Essa tem sido a mensagem de diversos responsáveis e o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, voltou a sublinhá-lo, durante a participação num painel de discussão no Fórum para a Paz, em Paris, afirmando que "África, em particular, é o continente mais afetado pela distribuição desigual" de vacinas contra a COVID-19, com apenas 18,5% da sua população coberta (atualizado a 31 de Julho de 2022). O contraste com a taxa de vacinação nos países desenvolvidos é grande, sabendo-se que os países-membros do G20, por exemplo, já administraram mais de 80% das vacinas contra a COVID-19 disponibilizadas em todo o mundo. Para o responsável, esta desigualdade é "condenável", não só do ponto de vista moral, mas também tendo em conta as consequências que tal facto acarreta em termos de saúde e economia. Com efeito, após vários meses em que a pandemia parecia estar a diminuir, tem vindo a registar-se um aumento do número de casos e de mortes diárias. Assim, o chefe da OMS reforçou que "nenhum país conseguirá, por si só, pôr fim a esta pandemia".

Além das vacinas, outra dimensão que importa ter em consideração para se poder falar sobre o fim da pandemia prende-se com o vírus, com a sua capacidade para evoluir, transformar-se e ficar mais forte. Em declarações à CNN, Arnold Monto, professor de epidemiologia e elemento do comité que avalia as vacinas na FDA, fala de um “desfile de variantes”, assistindo-se a alterações nos padrões de transmissão à medida que novas variantes vão surgindo. “Vemos agora uma transmissão muito mais extensa e uma disseminação muito mais uniforme em todo o mundo. Isso torna mais difícil declarar o fim da pandemia”, afirmou o especialista.

Outros fatores que importa ter em consideração passam ainda pela diminuição progressiva da imunidade natural ou induzida pela vacina, assim como a aproximação do inverno, como realçam, num artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, Filipe Froes, pneumologista e coordenador do Gabinete de Crise COVID-19 da Ordem dos Médicos, e a jurista Patrícia Akester. Nas suas palavras, a diminuição da exposição solar, o frio, a chuva e a circulação de outros vírus respiratórios, nomeadamente o vírus sincicial respiratório e o vírus influenza, da gripe, são aliados do SARS-CoV-2 e da sua sobrevivência, transmissibilidade e gravidade. Além disso, há ainda que ter em conta, como referem, a maior pressão que se irá exercer sobre o Serviço Nacional de Saúde e que se fará sentir não só devido aos casos de COVID-19, como também devido Condição pós-COVID-19 e aos “doentes não covid que se acumularam ao longo da pandemia e da atividade assistencial habitual neste período”.


Sendo assim, o futuro é desconhecido, mas uma única certeza todos temos e não é de desprezar: sabe-se hoje muitíssimo mais sobre o vírus e sobre a doença do que se sabia quando a pandemia foi decretada, além de que as atenções mundiais continuam voltadas para descobrir como seguir, com precaução, em frente deste período pandémico.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados