Dores de cabeça: quando a cabeça pesa

Dores de cabeça: quando a cabeça pesa

Saúde e Medicina
Última atualização: 20/12/2022
  • As enxaquecas são uma condição bastante comum, sendo que atingem maioritariamente mulheres;
  • Existem vários tipos de enxaquecas, sendo importante ter um diagnóstico médico para ter um tratamento eficaz;
  • Apesar de esta condição ser bastante usual, existem ainda vários mitos à volta do que o que pode ou não originar as dores de cabeça.
  • O mais importante é reconhecer quando as cefaleias são um aviso de uma condição mais grave.
ores de cabeça: quando a cabeça pesa

Apesar de toda a gente ter dores de cabeça (cefaleias) devido ao cansaço, stress, entre outros, este é um problema cada vez mais frequente no nosso dia a dia. Descubra como as deve tratar ou minimiza-las.

Muitas pessoas têm dores de cabeça ocasionais que melhoram por si só, sem necessidade de recorrer a qualquer tipo de fármacos, mas existe outro tipo de pessoas que, não tendo alternativa, devem socorrer-se de medicamentos apropriados para a patologia.

A maior parte da população, por norma, não recorre aos profissionais de saúde especializados para fazerem um diagnóstico correto da causa-efeito desta patologia. Muitas das situações de cefaleia são preocupantes por não se conhecer o porquê do seu aparecimento podendo estar associadas a várias doenças, nomeadamente, um tumor cerebral, aneurismatrombose ou infeção. De facto, é bastante raro que seja o caso. Contudo, as cefaleias podem ser alertas de que algo está errado no funcionamento normal do cérebro, e é pouco comum que sejam o único sintoma.

 

Sofrer sem saber…

 

Nem sempre uma dor de cabeça é a famosa enxaqueca. Existem outro tipo de patologias. A maior parte dos portadores de enxaqueca ou migrânea, sendo geralmente uma dor de cabeça moderada ou grave sentida como uma dor latejante em um lado da cabeça. Muitas pessoas também apresentam sintomas como sentir-se mal, estar doente e aumentar a sensibilidade à luz ou ao som. A enxaqueca é uma condição de saúde comum, afetando cerca de 1 em cada 5 mulheres e cerca de 1 em cada 15 homens. Eles geralmente começam no início da idade adulta.

A maior parte das pessoas apresentam a forma denominada de migrânea sem aura. Nesta forma não ocorrem sinais que antecedem, em alguns minutos, a dor, nem a visualização de pontos brilhantes frequentemente mencionados em casos de enxaquecas. Também o facto de não ocorrerem vómitos é mais comum do que o contrário, pois apenas a sensação de náusea pode ocorrer isoladamente.

Mas existem outros tipos de enxaquecas, como a enxaqueca com aura – onde há sinais de alerta específicos pouco antes do início da enxaqueca, como ver luzes a piscar. E ainda existe a enxaqueca silenciosa que consiste na manifestação de uma aura ou outros sintomas de enxaqueca, mas uma dor de cabeça não se desenvolve no paciente.

Algumas pessoas têm enxaquecas com frequência, até várias vezes por semana. Outras pessoas só têm enxaquecas ocasionalmente. É possível passar anos entre ataques de enxaqueca.

Mitos sobre dor de cabeça

 

Existem uma série de mitos criados à volta da dor de cabeça que nem sempre são verdadeiros. Por exemplo, é comum acharmos que determinados alimentos podem aumentar ou provocar dores de cabeça. Assim como atribuirmos à dor de cabeça sempre as mesmas causas. Eis algumas questões que podem ajudar a esclarecer os mitos:

  • vinho tinto pode provocar dores de cabeça. Esta bebida para além de ter a presença de uma amina com ação sobre os vasos sanguíneos, denominada tiramina, regista também a presença, em grande quantidade, dos radicais fenólico-flavonoides (antioxidantes). Estas substâncias, originárias da casca da uva e que atuam como defesas naturais desta fruta, são incorporadas no vinho tinto, e representam verdadeiros inimigos dos pacientes com enxaqueca.
  • chocolate pode ser fator determinante no desencadeamento de crises de enxaquecas. O chocolate contém cafeína e uma substância do tipo amina, com ação sobre o calibre dos vasos sanguíneos, chamada feniletilamina. Estas substâncias podem deflagrar episódios de enxaqueca em determinados pacientes.
  • Algumas frutas também têm sido responsabilizadas pelo início de crises de enxaqueca. Os citrinos, devido à presença de outra amina com ação nos vasos sanguíneos e denominada de octopamina, foram muitas vezes referidos por vários pacientes como despoletando crises, após a sua ingestão. Caso da laranja, limão e até o abacaxi.
  • Não há nada a fazer para evitar ou minimizar as enxaquecas. Outro mito comum amplamente espalhado entre as pessoas. Na realidade, através de modificações de hábitos é possível haver uma melhoria na frequência e intensidade das enxaquecas. O stress é o gatilho nº 1 para as enxaquecas. A adoção de técnicas de redução do stress, tais como exercícios de atenção e exercício físico, pode fazer a diferença. A hidratação e o sono adequados são também fundamentais para manter as enxaquecas à distância.

Cefaleias

 

As dores de cabeça podem ser consideradas sinais de alerta em algumas situações:

  • Cefaleias recentes em pessoas com mais de 40.
  • Cefaleias que começam de repente.
  • Cefaleias que pioram com exercício físico.
  • Cefaleias com sintomas pouco habituais, tais como desmaios, perda de visão ou em dificuldade de falar ou andar.
  • Cefaleias associadas com febre, pescoço duro ou rash.
  • Cefaleias que se iniciam com uma queda.
  • Cefaleias que ocorrem sempre no mesmo lado da cabeça.

Apesar de se achar que quando se tem uma dor de cabeça é algo simples e que com descanso passa, nem sempre é assim. No caso de a dor de cabeça persistir, é necessário que recorra ao seu médico para ver se existe algum problema associado.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados