Síndrome do cólon Irritável: um problema que vai além do intestino

Síndrome do cólon Irritável: um problema que vai além do intestino

Estima-se que 10 a 20% da população sofra desta doença. As mulheres são duas vezes mais afetadas do que os homens. Saiba mais sobre Síndrome do cólon Irritável.


colon


Ansiedade, stress, estados depressivos. Estes são sintomas que associamos normalmente a uma vertente mais emocional mas que, na verdade, acabam por ter influência no organismo como um todo. Prova disso é a Síndrome do Cólon Irritável, uma doença que apesar de ser do foro gastrenterológico , tem origem no sistema nervoso.

Neste caso, existe uma hipersensibilidade do intestino, que pode manifestar-se sob a forma de dor, desconforto, obstipação ou diarreia. “Falamos em síndrome porque de fato estamos perante um conjunto de sintomas e sinais, mais até do que uma doença”, esclarece o gastrenterologista Dr. Rui Pinto. Mas aquilo que diferencia a síndrome do cólon irritável das outras doenças gástricas reside na origem. “Estes sinais e sintomas são fruto de uma ligação entre a parte emocional do indivíduo com a sua função intestinal”, explica. Assim, podemos falar aqui de uma espécie de círculo vicioso: a parte emocional tem influência na função intestinal e, por sua vez, o funcionamento intestinal alterado também vai provocar alterações ao estado emocional do indivíduo.


Emoções que causam sintomas reais

Uma das primeiras queixas dos pacientes está ligada à alteração dos hábitos intestinais e à regularidade dos mesmos. “A pessoa passa a ter obstipação ou diarreia ou até mesmo uma alternância entre as duas situações. Além disso, costuma haver sinais de acumulação de ar no abdómen com distensão, acompanhada de dor”, acrescenta o especialista.

Estes são sintomas comuns a várias doenças do foro gastrenterológico, salienta o médico, mas há formas de saber quando estamos perante um doente com esta síndrome. “Quando são jovens, quando não há falta de apetite ou perda de peso, sem registo de perdas de sangue e com os exames e análises sem alterações”, enumera Dr. Rui Pinto. Nestes casos, “há um mau funcionamento do intestino, mas os órgãos estão íntegros, sem inflamação. É aí que a parte psicológica passa a ser avaliada, altura em que os médicos se apercebem que muitos dos sintomas só acontecem em fases de maior stress e que não acontecem durante o sono, altura em que o corpo e a mente estão em descanso.


Stress agrava sintomas

Não existe um padrão, mas Dr. Rui Pinto refere que a Síndrome do Cólon Irritável afeta mais as mulheres. “Ou melhor, são elas que verbalizam mais”. Independentemente do género, os pacientes que apresentam os sintomas relacionados com esta síndrome têm em comum a tendência para a depressão, ansiedade ou são mais vulneráveis ao stress. E são já muitas as pessoas que consultam os médicos da especialidade de gastrenterologia com queixas relacionadas com esta doença, facto que Dr. Rui Pinto associa a dois fatores: a maior procura por ajuda médica e o stress ao qual muitas pessoas atualmente estão expostas.


Atuar nas causas

Perante uma síndrome no qual corpo e mente são indissociáveis, o tratamento também tem que ser direcionado para essas duas vertentes. “O primeiro passo é dado na relação médico-paciente, com a qual se chega à descoberta da doença. É importante que o paciente perceba o que tem para cortar com esse círculo vicioso em que os sintomas aumentam a ansiedade e a ansiedade aumenta os sintomas", esclarece o especialista.

Os problemas físicos – obstipação, distensão abdominal, diarreia ou dor – são tratados com medicamentos. Já no que toca ao controlo emocional, o tratamento pode ser feito através de psicoterapia ou, no caso de ser necessária medicação, através de psicotrópicos, ansiolíticos e, por vezes, antidepressivos. É por isso comum, explica Dr. Rui Pinto, que o tratamento da Síndrome do Cólon Irritável seja feito em equipa, num trabalho conjunto entre a gastrenterologia e a psiquiatria.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados