Trissomia 21: crianças especiais à conquista da felicidade

Trissomia 21: crianças especiais à conquista da felicidade

Estima-se que uma em cada 800 crianças nasce uma com Trissomia 21. Um diagnóstico que coloca desafios, mas também traz muitas vitórias.


trissomia-21-criancas-especiais-a-conquista-da-felicidade


Melanie tem 21 anos e sonhava apresentar a meteorologia na televisão nacional. Partilhou este desejo nas redes sociais e 220 mil likes depois brilhou no pequeno ecrã em horário nobre. A iniciativa teve lugar na França, mas por cá também há exemplos de determinação. Recentemente, Manuel Gonçalves, um jovem de Alcobaça e a primeira pessoa com trissomia 21 a ter carta de condução em Portugal, lançou um livro de poemas prefaciado pelo Presidente da República, atletas como Paulo Henriques batem recordes internacionais. O que têm em comum? Uma alteração genética - Trissomia 21 – e a convicção de que conseguem ir mais longe, seguir os seus sonhos. Saiba como é detetada esta síndrome e que impacto tem na vida de pais e filhos.


Cromossoma extra

A Trissomia 21 ou síndrome de Down, é uma condição genética que resulta de uma divisão celular atípica em que, em vez das duas cópias habituais, existem três cópias do cromossoma 21. Para além de alguns traços físicos – olhos rasgados, baixa estatura – esta alteração tem implicações no desenvolvimento cognitivo e físico da criança e surge associada a alguns problemas de saúde, por exemplo a nível cardíaco (cardiopatias), auditivo, visual, entre outros.


O diagnóstico

O acompanhamento na gravidez prevê o rastreio de Trissomia 21 (a principal de outras síndromes analisadas). A ecografia do primeiro trimestre permite quantificar o risco, com base na medida de translucência da nuca e na idade materna, e a realização de um rastreio bioquímico (análise genética por amostra de sangue) indica também probabilidades. Caso o risco seja elevado, recomenda-se a realização de uma amniocentese (extração de uma amostra de líquido amniótico do útero) para diagnosticar a síndrome. Se o resultado é positivo, a lei permite a interrupção da gravidez até às 22 semanas, uma opção tomada em 90 por cento dos casos detetados precocemente, segundo as estimativas.


Ter um filho diferente?

O diagnóstico de Trissomia 21 é um choque para os pais. “Até os profissionais de saúde sentem uma angústia porque nunca há uma boa maneira de dar esta notícia”, refere Teresa Duarte Ferreira, vice-presidente da Associação Pais 21, revelando o que sentiu ao saber que a sua filha tinha a síndrome: “tive a reação que todas as pessoas têm: cai o mundo. Não sabia nada sobre trissomia 21 e tinha todos os estereótipos.” Quebra de expectativas, receio de não conseguir ser um bom pai ou mãe são as dúvidas comuns. “Há uma dificuldade intelectual, mas está provado que com estimulação precoce e bom acompanhamento, o desenvolvimento é possível. É mais difícil, mas também é um filho que tem uma alegria de viver enorme e normalmente é feliz” afirma.

Para esclarecer os novos pais, a associação criou o "kit Pais 21 com material informativo, como um livro dos zero aos cinco de crianças com trissomia 21. As metas não são as mesmas nestas crianças e este livro esclarece e tranquiliza as pessoas, porque sabem o que é esperado na evolução delas”, exemplifica. O kit é disponibilizado gratuitamente, nos hospitais com protocolo ou mediante pedido no site da associação.


Futuro positivo

Nos últimos anos, as respostas às necessidades clínicas evoluíram muito, a maioria das cardiopatias são detetadas e é rara a criança que espera para ser operada nos hospitais públicos. O que falta ainda fazer é a ajuda ao défice cognitivo”, comenta Teresa Duarte Ferreira, segundo a qual a informação legal está muito difusa tornando a tarefa dos pais ainda mais complexa. Existem vários tipos de apoios previstos na lei e para ajudar os futuros e recém-pais a associação prepara materiais informativos, guias e encontros para esclarecer todas as dúvidas. 


O que se faz em Portugal

Mudar as mentalidades e capacitar as crianças e jovens com trissomia 21 para crescerem de forma autónoma e integrada na sociedade é o objetivo dos pais e terapeutas que abraçam este desafio. “A maneira como referimos estes miúdos e falamos no tema condiciona mentalidades”, afirma Teresa Duarte Ferreira, “É preciso passar uma mensagem de esperança, dar voz a estas crianças e jovens”. Entre as iniciativas realizadas por esta associação, com sede em Lisboa e delegação no Porto, contam-se o teatro, grupos de autodeterminação (para preparação para a vivência mais autónoma), encontros mensais sobre vários temas, formação em escolas e mediação e acompanhamento de jovens trabalhadores integrados em empresas.

Os primeiros anos de vida são determinantes no desenvolvimento de uma criança a nível físico, cognitivo, linguístico, social e de autonomia. As crianças com Trissomia 21 enfrentam dificuldades acrescidas pelo que a intervenção precoce é recomendada, defende a National Down Syndrome Society.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados