Queda de cabelo: a culpa poderá ser da sua alimentação?

Queda de cabelo: a culpa poderá ser da sua alimentação?

Nutrição e Fitness
Última atualização: 25/11/2022
  • O cabelo é um símbolo de beleza, na antiguidade era um sinal de fertilidade, força e poder;
  • A perda de cabelo pode surgir em várias formas e serem provocadas por vários fatores;
  • Um fator que influencia a perda de cabelo é a alimentação, dado que é onde retiramos nutrientes e vitaminas para o bom funcionamento do nosso corpo,

O cabelo é mais do que um símbolo de beleza, reflete a nossa saúde. Tal como a pele, é das primeiras zonas do corpo a dar o alerta quando algo não está bem. Perda de brilho, vigor ou até queda são problemas comuns que podem estar ligados a algo tão fundamental como a alimentação. Descubra os aliados e inimigos do seu cabelo.

A perda de cabelo pode afetar o couro cabeludo ou o corpo todo, podendo ser temporário ou permanente. Podendo ser resultado de genética, mudanças hormonais, condições médicas ou apenas uma parte normal do envelhecimento. Cada fio de cabelo é composto essencialmente por proteína (queratina) mas são muitos os elementos que contribuem para a sua saúde. Minerais como o zinco ou o ferro, cuja insuficiência é uma das causas da queda de cabelo, são peças-chave no equilíbrio capilar ao fomentar o crescimento folicular, tal como o magnésio e o selénio. Vitaminas, como a C, E e betacaroteno também têm a sua relevância no combate aos radicais livres e na produção de colagénio (C), proteção contra os raios solares (E) e até na produção de sebo (betacaroteno). No couro cabeludo é ainda possível notar o valor que os ómega-3 – óleos essenciais que obtemos através da ingestão de certos alimentos – têm na hidratação capilar. Razões de sobra para escolher bem o que coloca no prato.

Tipos de perda de cabelo

Em média, a maioria das pessoas perde cerca de 100 fios de cabelo por dia. E com os novos fios a crescerem, a maioria não notará qualquer diferença no couro cabeludo.

A queda de cabelo pode aparecer de muitas formas diferentes, dependendo do que a está a causar. Pode aparecer de repente ou gradualmente e afetar apenas o seu couro cabeludo ou todo o seu corpo.

Os sinais e sintomas da queda de cabelo podem incluir:

  • Desbaste gradual no topo da cabeça. Este é o tipo mais comum de queda de cabelo, afetando as pessoas à medida que envelhecem. Nos homens, o cabelo começa frequentemente a regredir na linha do cabelo na testa. As mulheres têm tipicamente um alargamento de uma parte do cabelo. O padrão de queda de cabelo cada vez mais comum nas mulheres mais velhas é uma linha de cabelo que retrocede (alopecia fibrosante frontal).
  • Manchas circulares ou fragmentadas da calvície. Algumas pessoas perdem cabelo em manchas circulares ou fragmentadas no couro cabeludo, barba ou sobrancelhas. A sua pele pode tornar-se irritada ou dolorosa antes de o cabelo cair.
  • Enfraquecimento súbito do cabelo. Um trauma físico ou emocional pode fazer com que o cabelo se solte. Podendo sair punhados de cabelo ao pentear ou lavar o cabelo ou até mesmo depois de um puxão suave. Este tipo de queda de cabelo causa geralmente um enfraquecimento geral do cabelo, mas é temporário.
  • Queda de cabelo de corpo inteiro. Algumas condições e tratamentos médicos, como a quimioterapia para o cancro, podem resultar na perda de cabelo em todo o corpo. O cabelo cresce normalmente de novo.
  • Manchas de descamação que se espalham pelo couro cabeludo. Isto é um sinal de ténia. Pode ser acompanhado de cabelo partido, vermelhidão e inchaço.

Os aliados do cabelo

Um dos alimentos que reúne os principais benefícios nutricionais para o cabelo é, sem dúvida, o ovo, uma vez que contém ferro, zinco, biotina, proteínas e vitaminas, entre outros nutrientes. Mas a natureza é muito diversa e há que aproveitar esta riqueza. A proteína, por exemplo, pode ser encontrada nas carnes brancas (frango, peru), no peixe (atum, entre outros), queijos (mozzarella fresca, requeijão ou tofu), cereais como a quinoa ou leguminosas como as lentilhas. Os frutos secos – nozes, amêndoas – fornecem biotina, associada ao crescimento capilar, e os ácidos gordos essenciais ómega-3 (que também estão presentes no salmão, atum e cavala). Já as vitaminas e os minerais encontram-se em abundância na fruta e nos legumes, pelo que estes devem estar presentes em todas as refeições. A ingestão regular de água, base de toda a hidratação, não deve ser esquecida.

Os inimigos da saúde capilar

Na maioria dos países ocidentais os hábitos alimentares diários estão muito aquém das necessidades nutricionais e das regras de uma dieta saudável. O consumo elevado de alimentos processados ricos em gordura e açúcares, em detrimento de alimentos como a fruta e vegetais, traduzem-se numa falta de diversidade nutricional que se reflete na saúde (cabelo incluído). O consumo de álcool, devido à sua ação diurética, e o tabagismo, pela influência negativa na circulação sanguínea e nos níveis de biotina, são outros hábitos nocivos para o seu cabelo.

Atenção às dietas

Nem só os maus hábitos podem prejudicar o cabelo. Por vezes, as boas intenções e preocupações com a saúde põem em risco, involuntariamente, o equilíbrio capilar. É o caso das dietas muito restritivas que não asseguram o aporte de nutrientes e proteínas necessários ao bom funcionamento do organismo. As consequências podem não ser imediatas – estima-se que a fragilização capilar ocorre apenas meses depois da insuficiência nutricional – mas o risco existe. A dieta aconselhada para ajudar na perda de cabelo é a dieta mediterrânea, repleta de frutas, legumes, cereais integrais, peixe, carnes magras e azeite.

Para evitar o eventual impacto que uma dieta restritiva pode ter no cabelo e na saúde em geral, deve aconselhar-se previamente com o seu médico. O mesmo cuidado deve aplicar-se antes da toma de suplementos vitamínicos.

A alimentação e o estilo de vida têm impacto na nossa saúde e o cabelo não é exceção. Apostar numa dieta rica e diversificada ajuda a preservar a saúde capilar e prevenir problemas como a queda.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados