Insónia
A insónia é a perturbação do sono que ocorre com mais frequência. A insónia leva o indivíduo a dormir mal e a descansar pouco, por mais que tente dormir, consistindo numa dificuldade persistente em adormecer em menos de 30 minutos e/ou de manter a continuidade do sono, despertando, por vezes, muito antes da hora.

A insónia é frequentemente associada a dificuldades de concentração e cansaço durante o dia. A ausência de um sono reparador dificulta o raciocínio, a atenção, a perceção e a conceção de ideias.
A insónia aguda, ocasional, de curta duração, atinge cerca de 30% da população adulta. Períodos mais prolongados de insónia, característicos da insónia crónica, afetam cerca de 10% da população, com uma frequência maior em indivíduos com mais de 60 anos de idade.

Insónia

A insónia é a perturbação do sono, que consiste numa dificuldade persistente em adormecer e/ou mantar a continuidade do sono. É frequente as pessoas nem saberem que sofrem de uma perturbação do sono. A maioria das pessoas vivencia problemas de sono em algum momento da vida.

A sonolência diurna excessiva é um indicador importante de que se sofre de sono insuficiente (privação do sono) ou que se tem o sono fragmentado (perturbação de sono). As perturbações do sono são muito comuns e são graves pelas consequências que provocam a nível de saúde física e mental.

Durante uma boa noite de sono não devemos demorar mais de 30 minutos a adormecer e não devemos acordar muitas vezes durante a noite. A maioria das pessoas precisa em média de 7,5 horas de sono. 

A Classificação Internacional das Desordens do Sono, criada pela Academia Americana da Medicina do Sono, classifica a insónia como:

  • De ajustamento (aguda) – Relacionada com uma situação de stress. Melhora quando o indivíduo se ajusta à situação. Não ultrapassa o limite máximo de três meses.
  • Psicofisiológica – Associada a uma preocupação e ansiedade excessivas do indíviduo face ao seu problema de sono – o indivíduo tem dificuldade em adormecer às horas normais mas pode adormecer involuntariamente fora delas e em qualquer outro local (a ansiedade face ao problema de sono leva a um condicionamento comportamental relativamente ao espaço em que o indivíduo normalmente dorme).
  • Paradoxal – O paciente apresenta os sintomas de quem sofre de insónias mas os exames de diagnóstico não confirmam o problema.
  • Idiopática– Não há uma causa evidente mas o problema é detetado e confirmado por exames complementares de diagnóstico.
  • Higiene de sono inadequada– Os horários de sono são irregulares ou desadequados. Pode haver consumo de substâncias que potenciem a insónia como cafeína, álcool, medicamentos e outras drogas.
  • Comportamental da criança– Em casos em que o ato de adormecer é muito prolongado e se faz acompanhar de muitas exigências e da complacência excessiva dos pais.
  • Situacional– Quando, por exemplo, se dorme fora de casa. O calor ou a altitude extrema podem constituir, de igual forma, a causa da insónia.
  • Secundária a doença – Algumas doenças podem afetar o sono na medida em que os seus sintomas se manifestam mais durante a noite.
  • Secundária a abuso de drogas– Como é o caso da heroína, cocaína, álcool e drogas estimulantes.

 

Causas da Insónia

 

Primárias

As causas da insónia estão associadas a fatores internos do organismo:

  • Apneia do sono.
  • Movimentos involuntários.

 

Secundárias

Perturbações emocionais:

– Ansiedade.
– Nervosismo.
– Depressão.
– Temor.

Perturbações ambientais:

– Ausência de um ambiente adequado ao descanso.

Perturbações comportamentais: 

– Consumo de fármacos.
– Consumo de cafeína.
– Consumo de nicotina
– Consumo de álcool
– Consumo de outras drogas.
– Horários de sono desajustados (é frequente nas pessoas que trabalham por turnos).

Sintomas de Insónia

- Incapacidade de adormecer (ou demorar mais de 30 minutos).
- Acordar muitas vezes durante a noite.
- Acordar muito cedo de manhã.
- Ter um sono não reparador.
- A pessoa não consegue dormir, apesar de ter condições para o fazer.

Para se diagnosticar insónia, estes sintomas precisam de estar presentes durante pelo menos um mês e interferir com o humor e/ou atividades.

 

Tratamento da Insónia

A modificação de alguns hábitos que interferem com a insónia ou o recurso a medicação específica ajudam a combater a insónia. Os episódios de insónia aguda, caso durem mais de alguns dias, devem ser tratados para prevenir a sua evolução para a cronicidade.

 

Algumas medidas ajudam a controlar e a combater a insónia:

Prática regular de exercício físico durante o dia, mas evitando a sua prática três ou quatro horas antes de dormir.
Criar alguma rotina nos hábitos de sono, adotando um horário regular para ir dormir e para acordar no dia seguinte (incluindo fins de semana).
Evitar a ingestão excitantes como álcool, cafeína e nicotina ao longo do dia e, particularmente, nas últimas horas antes de ir para a cama.
Evitar refeições pesadas e ricas em gordura no período da noite, uma vez que são mais difíceis de digerir e perturbam o sono.
Criar um ambiente calmo e propício ao repouso.
Procurar ir para a cama apenas quando se tem sono. Se demorar mais de vinte minutos a adormecer, deve levantar-se e realizar qualquer tarefa relaxante até voltar a sentir sono.
Quando a insónia não ceder às medidas gerais de higiene do sono deve ser tratada através de técnicas de relaxamento ou através de medicação adequada. 

 

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados