O que é a pele atópica e como tratar?

O que é a pele atópica e como tratar?

O eczema atópico é a infeção cutânea mais frequente na infância, pelo que importa saber o que é, como prevenir e tratar.


o-que-e-a-pele-atopica-e-como-tratar



São muitos os cremes à venda na farmácia para tratar aquilo que habitualmente se designa por pele atópica. Mas será que estamos todos a falar do mesmo? O dermatologista João Maia e Silva dá uma ajuda.

Pele seca, pequenas borbulhas, comichão intensa e vermelhidão na zona da erupção. Estes são apenas alguns dos sintomas que levam a maior parte dos médicos a diagnosticar pele atópica. Porém, como adverte João Maia e Silva, dermatologista coordenador do Centro de Dermatologia do Hospital CUF Descobertas e Clínica CUF Alvalade, “há que distinguir entre eczema atópico e pele atópica, pois são coisas diferentes”. Assim, “o eczema atópico é uma doença inflamatória crónica que se caracteriza essencialmente por duas coisas: por um lado, a função de barreira da pele não funciona de forma adequada e, por outro, há uma hiper-reatividade do nosso sistema imunitário, ou seja, ele reage a tudo com muita facilidade”.

Para melhor clarificar a importância da função de barreira da pele, o médico recorre a um exemplo: “Imagine o que é uma parede com tijolo, cimento e reboco. No caso destas peles, o tijolo e o cimento são de má qualidade e o reboco é muito pouco. Isto faz com que a água que está dentro do nosso corpo, na nossa pele, mais facilmente atravesse a camada superficial, a epiderme – que é onde estão estes defeitos –, acabando por evaporar e secar a pele. Como consequência, tudo o que está no exterior mais facilmente vai penetrar e irritar.”

Ao mesmo tempo, verifica-se nestas pessoas a já referida hiper-reatividade do sistema imunitário, isto é, “tudo o que penetra no organismo, mesmo coisas que teríamos obrigação de interpretar como normais e tolerá-las, vai provocar uma irritação maior do que seria de esperar”, explica o especialista. Além deste quadro, verifica-se ainda “a reatividade dos brônquios – com asma – e a reatividade ao nível da mucosa nasal – a rinite. Aliás, “é comum que estes sintomas respiratórios até surjam antes de haver um problema na pele”, refere.

Porém, a presença de eczema atópico – a inflamação crónica da pele – nem sempre é clara, sobretudo quando alguns sintomas estão presentes, mas outros não. E é aqui que a distinção se torna mais difícil: “Às vezes isto não é assim tão claro. A pele é um pouco reativa e seca, mas a pessoa não tem asma nem rinite, ou seja, não tem muita reatividade nem apresenta alergias bem definidas, mas tem uma pele sensível e aquilo parece eczema atópico, mas não é, e então aí temos a pele atópica.”


Crianças mais afetadas

O eczema atópico constitui a infeção da pele mais comum na infância, estimando-se que atinja cerca de 20% de crianças com menos de sete anos. À medida que a idade aumenta, diminuem ou até desaparecem os sintomas. João Maia e Silva esclarece como é que este problema de saúde evolui com a idade: “Nos primeiros meses de vida, o nosso sistema imunitário não está suficientemente amadurecido para dar origem ao eczema atópico.” Por este motivo, a situação só começa a manifestar-se por volta dos três ou quatro meses, “pois é quando o corpo já percebe o que é, ou não, normal e começa a reagir”.

Quando a criança é muito pequena, a inflamação aparece sobretudo nas faces, nas grandes pregas e no tronco, mas conforme se vai tornando mais autónoma – gatinha e brinca – as lesões por fricção vão surgindo e passam a aparecer também nos joelhos e cotovelos. Outra localização comum é a zona da fralda. O dermatologista lembra que “aqui o problema é o eczema irritativo da fralda, mas como a criança já tem o eczema atópico, então há maior probabilidade de aquela situação acontecer”. Com o crescimento, o eczema vai ficando localizado sobretudo nas grandes pregas, atrás dos joelhos e na parte da frente dos cotovelos. Com a idade adulta, mantém-se nas grandes pregas e tende a surgir “em zonas de traumatismo, nomeadamente, relacionadas com o trabalho que a pessoa desenvolve, que são zonas mais sujeitas à irritação”, afirma.

Quanto à evolução deste problema de saúde ao longo do tempo, observa-se que “por volta dos cinco ou seis anos de idade, o eczema atópico desaparece nalguns casos, enquanto noutros desaparece na adolescência. E depois há uma percentagem mais pequena de indivíduos que o leva para a idade adulta”. Ao longo dos anos, aquilo que muda na pele e que vai fazer com que o problema possa desaparecer prende-se especialmente com a função de barreira: “A pele do adolescente produz gordura e essa gordura é a barreira, ou seja, é o reboco da parede. E logo que entra na adolescência começa a ganhar mais reboco, isto é, há uma alteração das características da pele, que faz com que tenha menos eczema atópico.”


Superproteção aumenta risco

Mas se alguns fatores ajudam a que o eczema atópico melhore, outros há que fazem precisamente o oposto. Além dos já referidos fatores externos relacionados com a fralda ou com a vida profissional do adulto (por exemplo, se lida diariamente com produtos aos quais é alérgico), o médico chama a atenção para o caso de “crianças muito agasalhadas com camisolas de lã ou sintéticas, as quais vão depois irritar no sítio dos contactos”.

Outro fator que leva a que o eczema atópico seja mais frequente nos mais novos relaciona-se com a tendência para a sua superproteção, nomeadamente, não os deixando brincar em contextos que não sejam asséticos. “Um dia mais tarde, eles vão entrar em contacto com a terra e o pó e, nessa altura, o seu organismo já não tem capacidade de adaptação e vai entender aquilo tudo como estranho”, afirma, acrescentando que é por essa razão também que “as crianças têm mais eczema atópico quando são de estratos económicos mais altos, vivem nas cidades e tomam mais antibióticos”. Além disso, também as crianças que são filhas de pais que fumam tendem a desenvolver esta inflamação cutânea com mais frequência.


Cuidado com temperatura, bactérias e vírus

Outro aspeto que influencia igualmente a intensidade do eczema é a temperatura: climas muito frios e secos podem agravar, assim como o calor com humidade. Além disso, o médico destaca o stress e ainda a infeção por algumas bactérias e vírus. A este respeito, alerta para a necessidade de as crianças terem sempre as unhas bem cortadas e limpas, “pois tendem a coçar-se e, se as unhas estiverem sujas, as feridas podem infetar”. Atenção também para alguns vírus, já que “há alguns que penetram mais facilmente nesta pele, como é o caso do molusco contagioso, muito comum nas crianças com eczema atópico que frequentam piscinas”.


Cuidar e prevenir sempre

Quanto ao tratamento do eczema atópico, o médico começa por salientar a necessidade de se repor a função de barreira da pele, ou seja, “atuando no reboco”. Como? “Dando banhos pouco demorados, com água pouco quente e com produtos que não tenham sabão e façam pouca espuma para não retirar a pouca gordura que estas peles têm.” Além disso, há que reforçar esta gordura através de um creme que a contenha e que, ao mesmo tempo, crie uma película sobre a pele, de maneira que a água aqui presente não se evapore.

Outros cuidados passam por manter a pele fresca, não agasalhar em demasia, vestir roupa de algodão e usar água termal para acalmar a comichão. Por vezes, é  necessário recorrer a medicamentos prescritos pelo médico, nomeadamente, anti-histamínicos e, em situações mais graves, cremes anti-inflamatórios com ou sem corticoides. Quando nem estes últimos funcionam, poderá haver necessidade de tomar imunossupressores.

De acordo com João Maia e Silva, a maior dificuldade no tratamento do eczema não é tanto o controlo imediato das queixas, porque a crise resolve-se sempre. “A principal questão é manter a pessoa sempre bem e para isso não se pode deixar de fazer todos os procedimentos só porque a pessoa está bem naquele momento”, afirma, sublinhando que “se não se perceber bem isto, o problema volta rapidamente”. “Os cuidados têm de ser contínuos e, às vezes, até o uso dos próprios medicamentos. Há que privilegiar a manutenção”, salienta.

Outra chamada de atenção prende-se com os cremes hidratantes usados. Mudar constantemente de produto é errado, “porque estamos a expor a pessoa a muitos químicos”. “A boa recomendação é que se a pessoa se dá bem com determinado creme deverá usar esse e ponto final. Tem é de o pôr e manter os restantes cuidados.”


Sintomas de eczema atópico

  • Pele seca
  • Borbulhinhas tipo “pele de galinha”
  • Comichão intensa (que agrava com a transpiração e o aquecimento corporal)
  • Alterações da cor da pele
  • Pele muito espessa (textura tipo “couro”)
  • Vermelhidão ou inflamação ao redor das bolhas
  • Lesões cutâneas
  • Asma e/ou rinite

Sabia que...

A palavra “atopia” – utilizada com frequência para descrever o conjunto de sintomas apresentados por quem sofre de eczema atópico – deriva do grego e significa “coisa estranha, fora do lugar”.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados