Andropausa e estilo de vida

A crise masculina da meia-idade não tem, necessariamente, origem hormonal e a sua causa está muitas vezes nos maus hábitos e no stress. Na verdade, o segredo para uma andropausa feliz prende-se com um estilo de vida equilibrado.


andropausa


Para os homens a chegada à meia-idade é sinonimo de uma fase menos fácil da vida, de dúvidas acerca da sua masculinidade, de incertezas sobre o futuro e da constatação que estão a começar a envelhecer. A crise masculina da meia-idade não tem necessariamente origem hormonal. A causa está muitas vezes nos maus hábitos e no stress. Uma mudança de estilo de vida pode ser a melhor maneira de ultrapassar a situação. Em alguns homens, as transformações da meia-idade mais óbvias são a queda de cabelo (alopécia) ou um certo tipo de obesidade (aumento do volume abdominal). Noutros, estas mudanças fazem-se ainda em função de alterações hormonais que podem ser acompanhadas de irritabilidade, fadiga e ansiedade. Afirma-se muitas vezes que os homens de meia-idade sofrem de problemas físicos e emocionais equivalentes aos vividos pelas mulheres da mesma idade. A comparação é feita porque esta transição masculina acarreta uma alteração das capacidades sexuais e do desejo, perdas musculares e óssea, assim como, depressão, condições habitualmente associadas à menopausa feminina. Ao contrário daquilo que muitas vezes foi dito, as hormonas não têm um grande significado nas alterações masculinas da meia-idade. Os níveis de estrogénio declinam subitamente na mulher, enquanto os homens a partir dos 40 anos perdem apenas cinco por cento de testosterona por ano e raramente atingem níveis abaixo do saudável. A verdade é que a maioria dos homens defrontam-se, no meio da vida, com os maus hábitos que foram adquirindo. O tabaco, o álcool, o gosto pela tranquilidade do sofá e a contínua absorção de gorduras podem levar a problemas sexuais e a perdas de musculatura e flexibilidade. E, enquanto na mulher vários sinais anunciam a chegada da menopausa, os homens só notam que lhes falta qualquer coisa quando a sua energia sexual tende a degradar-se. Quando chegam a meio da vida, os homens devem deixar de fumar, optar por uma dieta adequada, fazer exercício físico e ter atenção aos medicamentos.

Com efeito, sabe-se hoje que a nicotina, ao contribuir para o aumento da formação de bloqueios, acaba por não favorecer o fluxo de sangue. Por outro lado, é necessário reduzir a ingestão de gorduras para níveis adequados às necessidades do organismo. E, ao mesmo tempo, quando se chega à meia-idade torna-se necessário ter cuidado com os medicamentos. Existem muitos fármacos que podem provocar alterações colaterais como sonolência, irritabilidade, mal-estar e assim predispor à preguiça e a cada vez menos movimento. Portanto, quando for possível, pode ser importante substituir esses medicamentos.


Exercício físico

Nunca é demais relembrar a importância de fazer exercício físico. Isto é sobretudo importante para os homens que se habituaram demasiado à vida sedentária, ao vício do automóvel e à dependência do sofá. Fazer exercícios aeróbios, por exemplo, melhora o fluxo sanguíneo em todo o corpo e as mudanças de ânimos. A não ser que mantenha uma rotina diária de exercícios físicos, o homem começará a perder massa muscular e a ganhar gordura, o que explica muitas vezes o cansaço na maior parte dos homens de meia-idade. A inatividade também acelera a perda da massa óssea, contribuindo para a osteoporose. Geralmente olhada como um problema feminino, a osteoporose afeta 20 por cento dos homens.
Nos homens, a osteoporose tende a surgir mais tarde do que nas mulheres, já que a sua massa óssea é maior. Mas a forma de prevenir a doença na mulher – a absorção diária de cálcio, a prática de exercício e não fumar – também pode evitar a osteoporose no homem. É importante que se tenha consciência deste problema, que também é masculino.

Apesar da andropausa ser uma situação que surge naturalmente com o avançar da idade, pode aparecer precocemente devido a outros fatores, nomeadamente, o stress e o tabagismo.
Por isso, cuide da sua saúde e bem-estar para lidar melhor com o aparecimento da andropausa.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados