10 conselhos para manter a tensão arterial sob controlo

Damos-lhe conselhos para manter a tensão arterial nos valores desejáveis, especialmente para quem tem fatores de risco, e falamos-lhe dos perigos da hipertensão. Controle a sua tensão arterial.


imagem-artigo-tensao-arterial


De acordo com João Carmo, cardiologista do Hospital da Luz, "a hipertensão arterial é uma doença silenciosa sendo que a única forma de fazer o diagnóstico é medir a pressão arterial. O controlo da pressão arterial através de alterações no estilo de vida e medicação, permite reduzir o risco de enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência renal. É muito importante fazer um diagnóstico precoce para prevenir complicações no futuro."

Tensão arterial é o nome por que é conhecida a pressão que o sangue exerce nas artérias para chegar a todos os tecidos e células do organismo. Esse esforço é normal, desejável e sinónimo de que estamos vivos. Mas nem sempre a tensão arterial se mantém nos valores adequados. O descontrolo da tensão arterial implica um aumento do risco para a saúde, principalmente quando a tensão se mantém sistematicamente acima dos valores normais. Saiba quais os valores desejáveis de tensão arterial, os fatores de risco, as consequências de ter a tensão arterial elevada e o que deve fazer para evitar que os níveis de tensão arterial aumentem.

Quais são os valores desejáveis de tensão arterial?

A tensão arterial é quantificada com base em duas medidas: o valor da pressão arterial sistólica e o valor da pressão arterial diastólica. A medição da tensão arterial deve ser feita nas consultas de rotina e com maior periodicidade para quem apresente fatores de risco de hipertensão, de acordo com o conselho do médico.

A pressão arterial sistólica, conhecida como “máxima”, é a tensão que o sangue exerce nas paredes das artérias quando o coração bombeia sangue. A pressão arterial diastólica, chamada “mínima”, indica a pressão que o sangue exerce nas artérias quando o coração está em descanso.

É normal que a pressão arterial aumente com a idade e também que varie ao longo do dia, de acordo com a maior ou menor intensidade das atividades praticadas. O que não é normal é que os valores da tensão arterial estejam sistematicamente acima dos valores considerados normais. A hipertensão arterial é grave e causa problemas de saúde quando permanece elevada ao longo de meses ou quando aumenta muito subitamente. A pressão arterial ideal deve ser inferior a 120 milímetros de mercúrio (mmHg) para a “máxima” e 80 mmHg para a “mínima”.

Tensão arterial elevada: fatores de risco

Existem vários fatores de ordem genética ou ambiental que podem fazer com que a pressão exercida pelo sangue sobre as paredes das artérias se torne excessiva. Esta situação é conhecida como hipertensão. O risco de hipertensão aumenta com a idade. Além disso, existem fatores hereditários que podem fazer com que algumas pessoas tenham maior predisposição para sofrer de hipertensão. A tensão arterial elevada pode ser controlada por medicação, de acordo com o conselho do médico. Mas a verdade é que há muito a fazer para prevenir essa situação. Excesso de peso, consumo excessivo de sal, de bebidas alcoólicas ou de café, tabagismo, stress e sedentarismo são alguns dos fatores responsáveis pela alteração dos valores da tensão arterial. A boa notícia é que, com a modificação de comportamentos e hábitos, é possível diminuir o risco de hipertensão.

O maior risco de ter hipertensão é não saber que se sofre desta condição. Muitas vezes, no início, o aumento da tensão arterial não apresenta sintomas. Atua de forma silenciosa, lesando os vasos sanguíneos e colocando em risco o funcionamento dos principais órgãos: o cérebro, o coração e os rins.

A hipertensão pode estar na origem de doenças graves como acidente vascular cerebral (AVC), angina de peito, enfarte do miocárdio, aterosclerose, insuficiência cardíaca e insuficiência renal.

10 conselhos para equilibrar a tensão arterial

Siga estes conselhos do médico cardiologista João Carmo.

1. Perca peso. O excesso de peso e a obesidade estão associados ao aumento da pressão arterial. Em geral, por cada quilograma perdido, consegue-se reduzir a pressão arterial em 1 mmHg;

2. Faça exercício físico regularmente. “Caminhe 30 minutos por dia, por exemplo”, aconselha o médico – pode reduzir a pressão arterial em 5-8 mmHg;

3. Faça uma alimentação equilibrada e variada. Aposte na fruta, legumes, hidratos de carbono de absorção lenta (massa, pão e arroz integrais) e baixa em gorduras saturadas (opte por carnes magras, peixe e produtos lácteos magros) – pode reduzir a pressão arterial até 11 mmHg;

4. Reduza o sal (sódio) na dieta. Limite-o até 2 g por dia. “Leia os rótulos dos alimentos, evite os alimentos processados e utilize especiarias e ervas aromáticas para temperar”, recomenda o cardiologista – pode reduzir a pressão arterial em 5-6 mmHg;

5. Seja moderado no consumo de bebidas alcoólicas. Pode reduzir a pressão arterial até 4 mmHg. O risco de ter problemas de saúde reduz se não ultrapassar a ingestão de uma bebida alcoólica por dia, no caso das mulheres, e duas, no caso dos homens.

6. Deixe de fumar. Além de todas as já conhecidas consequências do tabagismo, fumar também interfere nos valores da tensão arterial. Deixar de fumar ajuda a pressão arterial a voltar aos valores normais e reduz o risco de ter um enfarte agudo do miocárdio ou de AVC.

7. Reduza o consumo de bebidas com cafeína. Em certas pessoas, a pressão arterial pode aumentar 10 mmHg após o consumo de cafeína. João Carmo refere que “embora os efeitos a longo prazo não sejam claros, é possível que (a cafeína) aumente a pressão arterial”.

8Aprenda a gerir o stress. Apesar do stress não ser a causa principal de problemas cardíacos, pode contribuir para o seu desenvolvimento, pois contribui para o aumento da pressão arterial.

9. Meça a pressão arterial regularmente. “Recomendo usar um aparelho para medir a pressão arterial no braço”, salienta o cardiologista. Os dispositivos que fazem a medição no punho ou nos dedos, ainda que colocados junto ao coração, fornecem valores tensionais pouco credíveis, sendo aconselhável usar aqueles que medem a tensão arterial no braço.

10Tome a medicação prescrita pelo seu médico de acordo com as indicações deste. O seu médico, que o acompanha e conhece a sua situação específica, é a pessoa indicada para o aconselhar sobre a medicação adequada ao seu caso e a forma/periodicidade com que deve tomá-la.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados